A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Junho de 2018

04/02/2013 13:13

Nossas tantas tristezas!

Por Valfrido M. Chaves (*)

Charles De Gaulle, célebre estadista francês, a propósito de uma palhaçada de Jânio Quadros que mandou belonaves brasileiras hostilizar navios pesqueiros franceses, lançou uma frase que correu mundo: “ o Brasil não é um país sério”. Fato é que na nação como um todo, diariamente, conforme sejamos sorteados pelo destino, somos ceifados pela morte ou dor advinda da perda de entes queridos.

Nossas estradas são um lixo que destroem nossa frota, aumentam o “custo Brasil”, merecendo ainda o título de “estradas assassinas”. Enquanto isso, o leitor bem informado sabe que fartos milhões de dólares fazem falta à nossa “infraestrutura”, enquanto são despejados em países africanos ou latinos, com objetivos políticos mais que conhecidos.

A propósito do editorial do Correio do Estado de 25/01/2013, “Filhos da Violência”, lembramos da nossa falta de seriedade face à expansão da violência e do banditismo entre a população mais jovem, sem que nunca tenhamos visto uma política pública de prevenção, que resguardasse o desenvolvimento sadio dos filhos, sobretudo das famílias desestruturadas.

Depois que se tornam bandidos, pistoleiros, assassinos, há toda uma legião politicamente correta para mantê-los na rua, para a prática de novos crimes, inclusive para alimentar dependências. Querem ver outro retrato de nossa falta de seriedade?

Em Campo Grande, capital de um Estado que lota os celeiros de alimento para o Brasil e o mundo, sua Câmara de Vereadores está na iminência de ser despejada! E que dizer do concluiu, caro leitor, entre ONGs, bancos internacionais e setores estatais, para jogar brasileiros contra brasileiros, através de uma política indigenista oficial, que busca expulsar de suas terras pioneiros e produtores, aqui trazidos pelo Império e pela República, para ocupar fronteiras, defendê-las e torná-las produtivas?

Fazer esses brasileiros pagarem por uma injustiça histórica que seria de toda a Nação, enquanto um Estado brasileiro irresponsável lava as mãos, parecendo feliz, realizado, por impactar o direito e a propriedade privada? Não basta? Que tal lembrarmos de políticos, inclusive uns que fizeram a vida jogando o “proletariado” contra a “burguesia”, e hoje todos conhecem suas fazendas e seus laranjas, mas que continuam prestigiados em seus partidos?

Fim ao cabo, não há como não lamentarmos da tragédia de Santa Maria... A mesma falta de seriedade, envolvendo cidadãos e o Estado, fiscalização deficiente e, após tudo, a constante impunidade. Neste ponto, leitor, só cabe uma indagação óbvia: até quando seremos tão omissos e acomodados? Mas para não ficarmos só em tristezas: que bom que nosso Ruben Figueiró, o incansável “formiguinha” tenha sido convocado para o Senado! Tomara que ele agüente o cheiro de por lá.

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista.

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


O Sr. Valfrido conseguiu juntar "alhos com bugalhos"...reuniu vários assuntos interessantes, mas que nada têm entre si...pensando bem, Sr. Valfrido, o que tem a violência que impera nas nossas cidades com o prédio da nossa Câmara de Vereadores?
 
Eugenio de Souza em 05/02/2013 07:49:42
É bem por aí... :(
 
Ari Junior em 04/02/2013 14:40:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions