A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

19/07/2013 09:10

O Ambiente de Inovação em Mato Grosso Do Sul

Por Fernando Mendes Lamas (*)

Embora seja um dos estados mais jovens da federação, Mato Grosso do Sul possui um conjunto de instituições públicas e privadas que favorecem sobremaneira o ambiente de inovação.

Com uma população com pouco mais de 2,5 milhões de habitantes sedia em seu território a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), a Universidade Uniderp/Anhaguera, o Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN), o Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), quatro Unidades da Embrapa (três de Pesquisa e uma Unidade de Serviço), Fundação MS para a Pesquisa e Difusão de Tecnologias Agropecuárias, Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Chapadão e a Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (AGRAER).

As Universidades, o Instituto Federal e a AGRAER estão presentes fisicamente em vários municípios o que melhora a presença de instituições promotoras da inovação nas diferentes regiões do estado.

É oportuno destacar que, no Munícipio de Selvíria, está localizada a Fazenda Experimental da Faculdade de Engenharia do campus da Universidade Estadual Paulista de Ilha Solteira, SP. Como agentes de fomento à pesquisa e inovação, existem a Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul e o Fundo para o Desenvolvimento das Culturas de Milho e Soja de Mato Grosso do Sul, sem contar que é possível captar recursos para pesquisa em órgãos clássicos como CNPq, CAPES, FINEP, dentre outros. A presença desse conjunto de instituições poderá colocar Mato Grosso do Sul na vanguarda da inovação tecnológica.

Os produtores rurais estão organizados por meio de Sindicatos, Cooperativas, Associações e Grupos, onde também a inovação é assunto muito discutido, na busca de otimizar os fatores de produção e minimizar os riscos do capital investido na produção agrícola.

Nesse ambiente, onde existem instituições de ciência e tecnologia e os produtores estão organizados, como deve ser tratado o tema INOVAÇÂO no âmbito das ciências agrárias? O que é preciso inovar? Como inovar?

Mato Grosso do Sul, por meio de suas instituições, tem buscado responder a esses questionamentos, quando cria o Fórum Permanente de Pesquisa Agropecuária liderado pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul).

Para a agricultura são impostos vários desafios, sendo o mais frequente o de “satisfazer as necessidades básicas da população e por isso devemos obter o máximo de rendimento por unidade de área”1.

Atualmente, além de produzir alimentos em quantidade e com qualidade, a agricultura deve auxiliar na mitigação de gases causadores do efeito estufa. Tudo isso com o mínimo de impacto ambiental, associado ao reduzido uso de insumos. Em síntese, o grande desafio é produzir para atender à demanda da população, permitindo que as famílias consigam obter renda que lhes assegure viver com dignidade, ou seja, colocar em prática o conceito de sustentabilidade.

Face aos desafios postos às instituições de ciência e tecnologia, cabe desenvolver estratégias para gerar conhecimentos, com os recursos disponíveis, de forma articulada e organizada, em perfeita sintonia com o ambiente de produção. Os conhecimentos incorporados aos sistemas de produção contribuirão para que a agricultura possa cumprir o seu papel de provedora de alimentos, fibra e energia, com o mínimo de impacto ambiental, e o agricultor seja adequadamente remunerado. Assim, conhecimento também é fator de produção como terra, capital e trabalho. Tem-se, então aquilo, que se convencionou chamar de Economia do Conhecimento.

Considerando a diversidade de clima, solo e cultura existentes em Mato Grosso do Sul, visando otimizar o potencial das instituições de inovação existentes no estado, não seria hora de se começar a pensar em “polos de inovação”, buscando otimizar o potencial de cada uma das regiões do estado? Entendo que o momento é favorável a este tipo de iniciativa. Esses polos estariam estrategicamente localizados, observadas as condições acima mencionadas, contemplando trabalho em rede com as diversas instituições existentes no Estado, no País e no Mundo, por meio de ações adequadamente articuladas.

Com a implantação de polos de inovação, a governança de todo o processo de P&D no estado seria facilitada. Isso tornaria os resultados de pesquisa mais impactantes como promotores do desenvolvimento econômico e social de uma determinada região, o que levaria invariavelmente ao desenvolvimento do estado e, por conseguinte, da população local.

1-GROSZMANN, A. Como não fracassar na cultura do algodoeiro. Revista Ceres, v.IV, n. 24, p.385-388, 1943.

Considerando a nova dimensão dada à inovação tecnológica, como instrumento transformador da realidade social e econômica, Mato Grosso do Sul possui um enorme potencial, dado o gabarito das instituições de ciência e tecnologia aqui estabelecidas. Os polos de inovação podem contribuir para dar a alavancada que se faz necessária.

A localização geográfica privilegiada de Mato Grosso do Sul e a capacidade empreendedora de sua população são fatores que também devem ser considerados. Por meio da geração e transferência de novos conhecimentos, é possível incorporar novas áreas ao sistema produtivo, melhorar as produtividades das principais explorações agrícolas do estado e incrementar novas alternativas.

(*) Fernando Mendes Lamas é pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions