A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

19/01/2017 09:40

O diálogo inter-religioso

(*) Padre Edison de Oliveira

Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo com religiões não cristãs é importante?

Primeiro tenhamos em mente que a paz é o que se espera quando se fala em diálogo inter-religioso, bem como a liberdade que leva ao respeito à crença do outro. O empenho pela paz e pela liberdade religiosa são os principais pontos quando se fala da importância do diálogo inter-religioso.

O essencial de cada religião no processo de diálogo deveria ser a virtude, pois esta contribui para a busca do bem comum. A virtude nos leva à opção pelo respeito ao outro.

A Igreja Católica, ao se apropriar de sua identidade, sem relativizar, não tem prejudicada a sua missão evangelizadora. Sua missão é exercida em obediência ao mandato de Jesus: “Ide por todo mundo, a todos pregai o Evangelho” (Mc 16,15). Nisto não há proselitismo, mas sim o empenho de comunicar o bem encontrado.

Em Paulo VI, estava presente o empenho tanto pelo diálogo quanto para o anúncio: “não deixaria de ter a sua utilidade que cada cristão e cada evangelizador aprofundasse na oração este pensamento: os homens poderão salvar-se por outras vias, graças à misericórdia de Deus, se nós não lhes anunciarmos o Evangelho; mas nós, poder-nos-emos salvar se, por negligência, por medo ou por vergonha, aquilo que São Paulo chamava exatamente ‘envergonhar-se do Evangelho’, ou por se seguirem ideias falsas, nos omitirmos de o anunciar?” (Evangelii Nuntiandi, 80).

O papa João Paulo II também ressaltava a firme consciência de que missão e diálogo não se equiparam no plano da salvação: “uma das razões mais graves para o escasso interesse pelo empenhamento missionário é a mentalidade do indiferentismo, hoje muito difundida, infelizmente também entre os cristãos, frequentemente radicada em concepções teológicas incorretas, e geradora de um relativismo religioso, que leva a pensar que ‘tanto vale uma religião como outra’” (Redemptoris missio, 36). Diálogo é algo diverso do relativismo.

O diálogo é uma das ações da Igreja em sua missão ad gentes (Dominus Iesus, 22), dizia o então cardeal prefeito da Congregação para a Doutrina da fé, Joseph Ratzinger, hoje, papa emérito Bento XVI.

Papa Francisco também nos conscientiza que anúncio e diálogo não deveriam ser excludentes: “não nos serve uma abertura diplomática que diga sim a tudo para evitar problemas, porque seria um modo de enganar o outro e negar-lhe o bem que se recebeu como um dom para partilhar com generosidade. Longe de se contraporem, a evangelização e o diálogo inter-religioso apoiam-se e alimentam-se reciprocamente” (Evangelii Gaudium, 251).

Assim, no empenho pelo bem comum, a Igreja segue seu processo de evangelização diante das realidades deste mundo, sendo sinal da presença de Deus, no amor e na verdade.

(*) Padre Edison de Oliveira é membro da Comunidade Canção Nova.

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions