A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

17/11/2014 10:48

O homem que peneirava palavras

Por Ruben Figueiró (*)

Há homens que não precisam estar presentes para ser evidentes. Assim é Manoel de Barros. Em sua simplicidade, ele retratou de forma extremamente sensível a exuberância do Pantanal. Expoente da nossa poesia, encantou com suas palavras leitores no Brasil e no exterior. Em sua premiada obra de 28 livros publicados, deixou jóias, como o poema “O apanhador de desperdícios”, o qual transcrevo trecho:

“(...)Entendo bem o sotaque das águas
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim um atraso de nascença.
Eu fui aparelhado para gostar de passarinhos. Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios (...)”.

Há tempos não via uma personalidade ser tão consagrada por ocasião de sua morte como o foi merecidamente Manoel de Barros. Ele retratava a “grandeza do ínfimo” e dizia que “poesia não é para entender, é para incorporar”.

O poeta virou passarinho, como muitos disseram, no dia 13 de novembro, aos 97 anos de idade. Deixará saudades, é inegável, mas seu legado ficará para a posteridade a emocionar aqueles que amam o belo e o singelo.

Homem de dupla naturalidade, pois nascido no Mato Grosso, viveu a vida toda no nosso Mato Grosso do Sul, sempre a ressaltar a natureza do Pantanal. Dele, o Pantanal, soube transformar, com sua sensibilidade apurada, em palavras não só as belezas daquela vegetação, como o canto dos pássaros e o ruído multifacetado dos animais. Enxergava pela lente da emoção e da singeleza. Tornou-se com a maior naturalidade no homem que peneirava palavras.

Tive a honra de conhecê-lo na década de 50 do século passado. Era uma expressão literária que do Pantanal se estendia “campo fora”. Lembro-me que os seus colegas advogados e dele mais próximos davam-lhe o epíteto de “Mané Sociá” em razão de suas manifestações políticas quando jovem. Homem discreto, Manoel de Barros não era muito de falar em público e certa vez declarou: “O jeito que eu tenho de me ser não é falando, mas escrevendo”.

Ele descansa agora após uma longa vida de intensa produção literária. Com grande alegria tomei conhecimento de que sua obra será toda reeditada e deverá ser lançada no início do próximo ano.

O certo é que a poesia de Manoel de Barros será sempre e sempre o testemunho daquele que soube captar da natureza a riqueza da vida e o fez com a humildade que é a verdadeira assinatura dos homens que pensam e deixam um legado que só os grandes podem edificar para as gerações futuras.

Ao saber de sua morte pensei em prestar-lhe uma última homenagem no Senado da República. Devo apresentar um Projeto de Resolução sugerindo a criação pelo Senado de um concurso de poesia com a temática ambiental. Os vencedores receberão o Diploma Manoel de Barros. Espero ter o apoio de meus pares para encerrar o meu mandato e a minha vida parlamentar prestando esta honraria ao nosso poeta pantaneiro. Afinal, Manoel de Barros se imortalizou por peneirar palavras e registrar no papel os diamantes que encontrava a partir de sua percepção aguçada das “coisas desimportantes”, como ele mesmo dizia.

(*) Ruben Figueiró é senador pelo PSDB-MS e presidente de honra do Diretório Estadual do partido

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions