A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019

31/10/2018 06:33

O momento é de união

Por Heitor Freire (*)

Acabamos de sair de uma das eleições mais acirradas desde a redemocratização em nosso país, devido à polarização que prevaleceu ao longo da campanha presidencial, principalmente no segundo turno.

Está sendo muito salutar para o povo brasileiro este momento de eleição para os diversos cargos da nossa administração pública. Este momento é um divisor de águas na história do Brasil. O gigante despertou. De agora em diante, tudo vai ser diferente.

A consciência cívica emergiu de forma soberana. O povo se mobilizou, com manifestações populares em defesa dos ideais de cada candidato, o que vai se constituir numa movimentação que acompanhará pari passu a administração do país.

Os meios modernos de comunicação (leia-se redes sociais) mostraram que vieram para ficar. Hoje o cidadão está conectado com o mundo virtual recebendo informações dos mais variados assuntos, diretamente.

Os institutos de pesquisas cometeram alguns equívocos que vão comprometer a sua credibilidade daqui para frente como a votação da Dilma para o Senado em Minas Gerais. Lá mesmo, a votação para governador. Em São Paulo, a votação do Suplicy também para o Senado; a votação para o governo no Estado do Rio de Janeiro. Isso para ficar só nos mais evidentes.

O pleito deste ano quebrou ou entortou alguns paradigmas, segundo o cientista político Gaudêncio Torquato,em sua coluna Porandubas Políticas:

1. O marketing eleitoral ficou de pernas pro ar. A comunicação massiva de alguns candidatos não funcionou.

2. O dinheiro não elege candidatos - teve candidato que quase não gastou e foi eleito com grande votação.

3. As pesquisas não detectaram tendências. Detectar apenas intenção de voto é pouco. O sistema cognitivo do eleitor não foi mapeado de maneira mais profunda.

4. Foi a campanha na qual o eleitor demonstrou maior autonomia de decisão. Autogestão eleitoral.

5. Mesmo os bolsões tradicionais e os fundões do país não se submeteram às pressões dos caciques.

6. A articulação com a sociedade organizada - movimentos, entidades, associações - deu o tom maior da campanha.

7. Subestimou-se o antipetismo e o antilulismo. E o PT acabou saindo dos grandes centros para as margens do interior do Nordeste.

8. Os custos da campanha diminuíram substantivamente, em alguns casos, em até 100%. O caixa 2 praticamente desapareceu.

9. O eleitor votou em perfis mais identificados com suas demandas, rotinas e padrões.

10. Fake news, versões e meias verdades deram o tom das redes sociais, mas não puxaram votos. Apenas acenderam o ânimo das militâncias.

Assim, sem dúvida, volto a repetir: De hoje em diante, tudo vai ser diferente. Por isso este é o momento do povo brasileiro se conscientizar da sua força e promover a união de todos em benefício do Brasil.

A eleição terminou. Agora, somos todos brasileiros, filhos de Deus, torcendo por este país maravilhoso e trabalhando, cada um no seu quadrado, com honestidade, seriedade, ética e competência.
Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

A vergonha da intolerância religiosa
Recentemente, acompanhamos nos noticiários que traficantes “evangélicos” do Rio de Janeiro integravam o grupo “bonde de Jesus”, onde atacavam religiõ...
Empresas estatais e proteção de dados
Na atual Era da Informação, tudo são dados. Bancos de dados são compartilhados entre empresas para municiar (quase literalmente) setores de telemarke...
A vida como ela é
No meu entendimento e experiência, é claro. A vida, essa oportunidade infinita de possibilidades, com uma profundidade maior que a dos oceanos, é o i...
A água que você não vê
Feche a torneira ao escovar os dentes! Banho de 5 minutos! Lave o carro e o quintal com balde e não com mangueira! Fomos acostumados a pensar que ess...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions