A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

12/07/2012 07:30

O mundo de possibilidades das mídias sociais

Por Acácia Lima (*)

O Brasil ultrapassou a Índia e é hoje o 2º país com mais usuários no Facebook - 46 milhões - atrás apenas do disparado líder, Estados Unidos, com 157 milhões de cadastrados. No Twitter, nossa situação é similar: ultrapassamos o Japão e, desde fevereiro, somos vice no número de usuários: 33 milhões na rede do microblog.

Em média, cada brasileiro destina 5 horas do seu dia às redes sociais, sem mencionar as compras online: em 2011 foram R$ 18 milhões de faturamento no e-commerce (ainda longe do comércio virtual americano, R$ 18 bilhões). Com números tão volumosos, grande parte das empresas já percebeu a importância de estar presente nas mídias sociais. O que elas não sabem, na maioria das vezes, é como fazê-lo.

Se nas mídias convencionais (TV, rádio, revistas e jornais), as empresas tinham total controle sobre o que era divulgado sobre elas, hoje qualquer fan page no Facebook pode se tornar uma porta de comentários nem sempre favoráveis. Com receio de tornarem-se vulneráveis, marcas pequenas e grandes se mostram relutantes quanto ao uso correto das mídias sociais, e assim não se permitem aprender a lidar, de maneira democrática e transparente, com seu público alvo e, principalmente, com seus consumidores mais ativos.

Gigantes como a Etna Móveis e Decoração, por exemplo, com mais de 8 mil fãs no Facebook, perdem uma preciosa oportunidade de "ouvir" seus consumidores e usar seus comentários para identificar pontos falhos e recorrentes em seus serviços. Em casos como o da Etna, a empresa perde a oportunidade de aprimorar e peca ao não responder a seus seguidores com a devida atenção.

Muito além de divulgar seus produtos, as empresas devem considerar que as mídias sociais são ambientes que oferecem informações generosas sobre seus produtos e consumidores. Quem compreender o poder e a dimensão dessas redes e usá-las corretamente certamente terá encontrado uma eficiente fórmula de marketing que muitos ainda não conseguem vislumbrar.

A partir daí, será possível não apenas vender produtos ou criar relacionamentos: a empresa estará fortalecendo sua marca, definindo o propósito de seu produto, gerando valores que estarão muito além do comércio de bens materiais. Uma fábrica de pão, por exemplo, deixará de vender apenas pão e passará a ser sinônimo de saúde e boa nutrição.

No Brasil, lemos 90% das notícias nas redes sociais, e interagimos, aproximadamente, entre 5% a 10% das vezes. Se a média de cada perfil no Facebook é de 300 amigos e se considerarmos uma fan page com 5 mil fãs, estamos falando num alcance potencial de 1,5 milhão de pessoas com uma única notícia. Fazendo as contas, é fácil concluir que uma boa repercussão na rede de Mark Zuckerberg certamente renderá boas vendas, bom marketing e bom relacionamento.

Tendo em vista tamanha responsabilidade, fica evidente a necessidade de um bom planejamento nas redes sociais, bem como um monitoramento atento e gerenciamento eficaz, capaz de transformar possíveis crises em fidelização e simples comentários em portas para melhorias de produtos e desenvolvimento de novas ideias.

Parece complicado, mas não é. Apenas exige a importância que qualquer vitrine merece. Uma marca que investe em tecnologia, mão de obra especializada, pesquisa de mercado e matéria prima de boa qualidade deve investir também na mais nova filosofia de marketing: a interatividade.

(*) Acácia Lima é jornalista e diretora da YellowA, agência especializada em mídias sociais.

Muito, pouco
No dia 3 de maio de 2016, foi promulgado o Decreto nº 8.737, que institui o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade para os servidores público...
A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions