A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Março de 2017

25/04/2013 08:58

O que fazer quando faltam profissionais qualificados no mercado

Susana Falchi (*)

Com a escassez de mão de obra do Brasil, cada vez mais a gestão de pessoas nas organizações deve ser vista como estratégica. Observamos que alguns segmentos, como: Contabilidade, Fiscal e Tributária, Engenharia, e Tecnologia da Informação têm vagas abertas e não fechadas devido à falta de mão de obra qualificada. Se utilizarmos TI como exemplo, temos 100.000 vagas! E hoje não falamos mais somente de mão obra qualificada, mas em níveis técnicos e operacionais também há falta de profissionais experientes.

Com este cenário, torna-se imperioso olhar para Gestão de Pessoas não mais como uma área burocrática, mas como uma área que precisa prover, desenvolver e reter pessoas para dar sustentação às estratégias de negócios. Um tópico extremamente importante é como prover pessoas já que não temos uma oferta significativa para selecionarmos os melhores profissionais para compor os quadros de funcionários das empresas.

É mais fácil, mais rápido e mais barato desenvolver conhecimentos do que comportamentos. Com isso em mente, precisamos ter processos seletivos bem estruturados focando os aspectos comportamentais e capacidade de aprendizagem para que possamos desenvolver profissionais dentro das próprias organizações. Utilizar ferramentas de avaliação para identificação de gaps de competências para otimização dos recursos em treinamento e desenvolvimento é um caminho interessante, uma vez que, as ações são direcionadas para a necessidade organizacional e dos indivíduos.

A retenção de pessoas passa pelo modelo de gestão, isto inclui, a liderança, perfis de liderança desenvolvimentista. A adoção de tal política é necessária neste cenário para manter os profissionais e desenvolvê-los “dentro de casa”. Explicitar oportunidades de carreira trazendo um guia claro, específico e transparente para a equipe visualizar o potencial de crescimento dentro da própria organização e manutenção da remuneração na mediana de mercado, podem ser fatores críticos de retenção das pessoas na organização.

Se como executivo, você ainda não pensou em Gestão de Pessoas como uma das vertentes estratégicas do seu negócio, é melhor refletir sobre o assunto, pois investir em pessoas pode ser o diferencial para a evolução ou a involução do seu negócio. Os conceitos tradicionais de gestão de pessoas não mais atendem às necessidades das organizações e das pessoas, ao mesmo tempo em que não existem conceitos e práticas consagradas para ocupar o espaço que se abre. O trabalho criativo e individualizado que perceba a empresa como tendo personalidade própria e única é fundamental para que seu processo de gestão tenha sucesso em suas metas.

(*) Susana Falchi, é CEO da HSD Consultoria em Recursos Humanos. É administradora de Empresas, MBA em RH pela FEA/USP, Pós graduada em Transdisciplinaridade e Psicologia Transpessoal, com especialização em e-learning e Planejamento Estratégico, formação em Conselheiro de Administração pelo IBGC.

Glifosato: o veneno está em todo lugar
O primeiro teste em alimentos para resíduos de glifosato realizado por laboratório registrado na Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estado...
Falácias da terceirização
A Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira, o projeto de lei que autoriza a terceirização do trabalho de forma irrestrita. Com esta aprovação, a...
Operação Carne Fraca: importância da fiscalização
“Quanto menos as pessoas souberem como são feitas as leis e as salsichas melhor elas dormirão” (Otto Von Bismarck -1815-1898). Esta frase famosa de B...
O custo da violência no trânsito brasileiro
A imprudência no trânsito mata cerca de 45 mil pessoas por ano no Brasil e deixa aproximadamente 600 mil com sequelas permanentes, conforme aponta o ...



Excelente artigo. Interessante, envolvente, instrutivo.
 
Darcio Oliveira em 25/04/2013 10:28:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions