A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

05/12/2018 13:24

Omelete sem quebrar ovos

Por Celso Tracco (*)

É, no mínimo, muito interessante o que estamos assistindo hoje, quando se olha para a realidade política brasileira. Depois de anos de governos que fizeram todos os tipos de conchavos nacionais e internacionais, financiados pelo BNDES, que levaram o Brasil à maior recessão econômica de sua história, que produziram o maior escândalo de corrupção de que se tem notícia, que lotearam a máquina pública entre seus membros e seus "aliados" e que deixaram o país com mais de 25 milhões de desalentados (eufemismo para desempregados e desocupados), qualquer medida anunciada pelo novo governo eleito, vem sempre noticiada com alguma desconfiança.

As críticas a qualquer medida ou indicação são sempre baseadas em: "analistas dizem que tal medida é problemática", "ex-ministros da educação não concordam com o discurso do indicado para o cargo", "a nova política externa brasileira é criticada por ativistas europeus", "o presidente eleito não tem articulação com o Congresso" pois está nomeando para o seu ministério pessoas técnicas e identificadas com o seu pensamento político conservador.

Vejo aqui uma crítica intensa à coerência até aqui demonstrada, por aqueles que venceram, democraticamente, as últimas eleições. Parecem-me argumentos de maus perdedores. Não se pode fazer omelete sem quebrar os ovos.

Jair Bolsonaro foi eleito, justamente, por combater a velha política e seus costumes, que nos levou a este estado caótico e pré-falimentar em que o país se encontra. É uma ilusão alimentar a esperança de que, a partir de 1º de janeiro de 2019, tudo será diferente. Que surgirá, como num passe de mágica, um país próspero, seguro e que seremos felizes para sempre. Definitivamente não! O trabalho que o novo governo terá será hercúleo, apenas para não piorar a situação atual.

As reformas, que todos nós já sabemos que são necessárias, não passarão pelo Congresso impunemente, pois, apesar da inédita renovação, ainda temos muitos políticos cuja única motivação é legislar em causa própria (exemplo: aumento para os juízes do STF).

Sei que é utópico, mas a hora agora é de união de todos os brasileiros independentemente se gostam ou não do novo governo. A única opção que temos é dar um voto de confiança aos novos dirigentes. Sem dúvida, não significa dar um cheque em branco, devemos estar sempre vigilantes, mas a oposição por oposição não é contributiva, ao contrário, é como jogar na destruição, no quanto pior, melhor.

No mínimo é extremamente medíocre pensar e agir dessa maneira. O país enfrenta uma guerra e, para o bem de todos, devemos deixar nossas ideologias de lado e lutar, como nunca foi feito, pelo bem do Brasil.

(*) Celso Luiz Tracco é economista e autor do livro Às Margens do Ipiranga - a esperança em sobreviver numa sociedade desigual. 

Acordo com a União Europeia: bem-estar animal em evidência
O Acordo comercial do Mercosul com a União Europeia tem causado bastante interesse de alguns e preocupação de outros. Uma certeza: para atingirmos es...
Os indevidos bloqueios de pontos dos programas de fidelidade
A justiça brasileira tem recebido diversas demandas que visam obstar a limitação de negociações de pontos, especialmente direcionadas às companhias a...
Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions