A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017

16/11/2013 19:01

Os animais do Parque dos Poderes, beleza com data para desaparecer

Roberto R. Cisneros (*)

A beleza urbana de Campo Grande corre o risco de perder um pouco de sua graça em breve. A presença de animais silvestres na região do Parque dos Poderes está seriamente comprometida por questões pontuais da atividade populacional, já resolvidas em outros países, em especial na Europa.

Em um local que representa uma das maiores concentrações de área verde da cidade e que, junto com o Parque das Nações Indígenas, é apontado como talvez o maior parque urbano, com aproximadamente 200 hectares somados, a fauna regional é constantemente ameaçada por ações irresponsáveis.

Diversos problemas ocorrem dentro do Parque dos Poderes, mas nada é tão nocivo aos animais silvestres como os carros em alta velocidade, que “atormentam” o local.

Especificamente no Parque dos Poderes são duas situações inusitadas, de um lado centenas de pessoas que utilizam a área para caminhar, pedalar, correr ou mesmo no caminho do trabalho; por outro, a presença de quatis, lobinhos, capivaras e outros animais que lá circulam livremente, correndo o risco de serem atropelados.

A pergunta é: como podemos conviver com a matança de animais que vem ocorrendo nas pistas de tráfego, sem nos sensibilizarmos?

Procurar a causa dessa matança não é difícil. Velocidade excessiva é, sem sombra de dúvida, o maior problema da região, mas podemos ainda citar outros fatores, como a grande distância entre controladores de velocidade e a ausência de lombadas intercaladas, permitindo o desenvolvimento das altas velocidades.

Isso sem contar ainda os “programas noturnos”, que infestam o lindo parque com embalagens de cerveja, preservativos e mais lixo pelo chão.

É de conhecimento geral que o horário de maior ocorrência de atropelamento é no início da noite ou no clarear do dia, período que nosso Parque dos Poderes permanece aberto ao trafego de veículos, quando nos maiores parques ao redor do mundo, as vias próximas são interditadas durante o mesmo período.

Além do fechamento noturno do parque, ideia que defendo ferrenhamente, outras soluções são possíveis, e dependem apenas de nossa boa vontade como cidadãos, aliadas com as mesmas crenças e atitudes do poder público.

Medidas como a instalação de redutores de velocidade (com espaço para o trafego de bikes que lá fazem seus treinos), limitação em determinados horários para o tráfego de veículos permitindo a circulação apenas nas vias mais periféricas, atos que, além de preservar ao vida de animais, daria mais segurança contra atropelamentos também para os esportistas em sua prática).

Ações mais inéditas ainda, como colocação de telas presas ao solo em torno das vias que circulam as áreas mais povoadas de animais silvestres, inclusive com túneis de circulação (sob as pista) para eles passarem de uma área pra outra sem risco de atropelamentos), até com a ajuda iniciativa privada, são algumas das medidas que poderiam ser tomadas na tentativa de preservar a vida dos "pequenos". Afinal, o parque é deles, apenas passamos a utilizar aquele espaço para trafegar ou praticar esportes.

É possível a convivência harmoniosa e sem riscos para todos, mais do que isso, é preciso ver o que está acontecendo e ter vontade e iniciativa para mudar.

(*) Roberto R. Cisneros é médico ortopedista e diretor clínico da Clínica Orthos

Metamorfose ambulante
Os poetas, os compositores, os filósofos e os músicos têm a sensibilidade de conceber, criar, perceber e interpretar o inconsciente coletivo e, assim...
A globalização e os países
Os homens se apegam ao poder desde longa data. A nobreza tinha os direitos sobre a terra. Com a ascensão do dinheiro e crédito, o capitalismo alcanço...
A importância do advogado para as empresas diante da reforma trabalhista
Muitas foram as mudanças trazidas pela Lei n. 13.467/2017, a famigerada Reforma Trabalhista. Mais de 100 (cem) dispositivos legais contidos na CLT so...
A dedicação que fez a diferença
Em Botucatu-SP, a chegada em 1963 da antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas (FCMBB) se fez pela dedicação de muitos. Seu estabelecimento c...


Como diz o adágio popular "a cabeça deveria servir não somente para separar os ombros"...parece que o Dr. Roberto usa a cabeça para pensar...pena que os nossos administradores não sabem usar a sua massa encefálica. As sugestões e o Dr. Roberto dá são óbvias...Vamos ver se o pessoal do IMASUL que administra o Parque das Nações e o Parque do Prosa, além da Prefeitura do Parque dos Poderes vão fazer alguma coisa para evitar a mortandade dos bichinhos.
 
Eugênio de Souza em 18/11/2013 07:44:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions