A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

14/12/2010 06:53

PAC: presente de Natal que até ao Papai Noel enganou!

Por Édison Freitas de Siqueira (*)

Ao fim de cada ano, famílias e amigos preocupam-se em agradar e confraternizar com colegas, amigos e familiares, organizando memoráveis festas de Natal. Esta tradição é milenar, disseminando-se entre católicos, evangélicos, protestantes, ortodoxos, enfim, toda a cristandade. Durante a cerimônia do Natal, o ponto máximo é demonstrar afeto por meio da entrega de presentes em torno da árvore enfeitada e do presépio.

Todos sempre se comovem e sensibilizam-se. Contudo, este sentimento não pode ser o motivo que justifique não perceber que o nosso esforço é esvaziado dentro de um presente de Papai Noel que "ninguém vê". É como se a cada dez presentes que compramos, ao menos sete destes são entregues, quase que escondidos, ao Governo, ao invés de nossa família, amigos e colegas.

A história é um tanto estranha, mas de fácil compreensão quando imaginamos a seguinte situação natalina: um casal que tem dois filhos, um de seis e outro com sete anos. Ambos os filhos pedem que o Papai Noel lhes dê de presente de Natal o seguinte: (1) um chinelo, (2) um CD da Xuxa, (3) um carrinho de pilha (fabricado na China), (4) uma bicicleta com rodinhas auxiliares, (5) um celular e (6) um Ipod.

Atendendo aos pedidos dos filhos, o casal "fala" com o Papai Noel e percebe que os presentes custarão mil reais, muito bem suados, os quais pagará por meio de um financiamento feito em dez parcelas, em uma única loja, onde encontrou todos os presentes para os filhos.

Ocorre que o casal, ao pegar os presentes, descobriu, por meio de uma informação prestada por um amigo, cuja profissão é contador, que dos mil reais que gastou, R$ 16,50 foram destinados ao pagamento de PIS (ao Governo Federal), R$ 76 a título de Cofins (ao Governo Federal), aproximadamente R$ 250 de IPI (ao Governo Federal), algo em torno de R$ 200 (ao Governo Federal) de Imposto sobre a Importação, mais ou menos R$ 30 de IRPJ (ao Governo Federal), R$ 40 de CSLL (ao Governo Federal) e aproximadamente R$ 200 de ICMS (Governo estadual).

O casal, atônito, percebeu, então, que dos suados mil reais reservados às compras de Natal, no mínimo R$ 815 foram destinados ao Governo. E pior: descobriu que os R$ 815 são pagos praticamente à vista ao governo, enquanto que o casal se obriga a endividar-se em um financiamento em dez parcelas, empréstimo que vai de Natal a Natal, já há alguns anos. Não bastasse isto, descobriu ainda que, ao lado do Governo, os bancos ficarão com os polpudos juros embutidos no financiamento que realizou para presentear os filhos.

Diante destes fatos, os pais passaram a entender porque o Governo não informa quantos impostos estão embutidos nos preços dos produtos e serviços que compramos diariamente, pois esta é a única forma de nos fazer pagar "um presente que sequer o Papai Noel vê".

A pergunta que fica é: onde foi que o governo pôs a meia ou o saco de presentes do Papai Noel que deveria nos dar? Na nossa lista de pedidos para o Papai Noel, falta o Governo Federal acabar as obras de duplicação da BR 101; faltam novas estradas; faltam velas para nos iluminar nos apagões; faltam portos; faltam silos para armazenar a produção agrícola nacional; faltam bancos que cobrem juros iguais aos praticados na Europa, na América do Norte, no Japão, na China ou no Canadá; também faltam novos presídios; hospitais e escolas públicas na quantidade que nosso povo precisa e tem direito; falta honestidade e ainda exterminadores de corruptos.

O que percebemos é que na árvore de Natal do povo brasileiro só não faltam impostos e gastadores impunes do dinheiro público.

O pior é que, não satisfeitos com o Natal anterior, o Governo atual, sem resistência alguma dos deputados federais, senadores e da Presidente eleita, ainda tem a coragem de propor aos brasileiros, e mesmo ao Papai Noel, que a CPMF retorne como um presente de Natal para cobrir a enorme dívida pública de R$ 1.890 trilhão. Este número é tão absurdo que equivale a tudo o que o Brasil produz em um ano e mais um pouco.

São R$ 240 bilhões de “Dívida Externa” e R$ 1.650 trilhão de “Dívida Interna”. Só os juros pagos para manter o serviço desta dívida custam aos cofres brasileiros mais de R$ 16,5 bilhões de reais mensais, ou melhor, R$ 550 milhões de juros ao dia. Esta fortuna é transferida diariamente aos bancos com o dinheiro que os cidadãos e empresas brasileiras pagam de impostos. O pior é que continuamos sem saúde, educação, segurança, portos, aeroportos e investimentos. Até as obras do PAC, anunciou nosso Presidente, serão paralisadas, demonstrando que tudo não passou de um jogo político, que até ao Papai Noel enganou.

(*) Édison Freitas de Siqueira é presidente do Instituto de Estudos dos Direitos do Contribuinte.

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada de acesso ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...


Esse contador do Edison não parece o FHC privatizando o Brasil. Paga IPI, Imposto de importação, PIS, Cofins sem se creditar daquilo que a empresa pagou antes. O FHC descontava todos os imposto e na proporção que esse contador fazia as contas para receber apenas o líquido. E esse líquido nunca apareceu....
Acho bom pagarem o imposto corretamente....
Bem, como provavelmente não vai ser colocado....rsrsrsrsr
 
Otto Heinz Mueller em 24/12/2010 05:50:39
É lamentável que este espaço, cedido generosamente pelo Campo Grande News, sirva de rascunho para interesses de viés político. Abomino esse oportunismo de pessoas que se lançam e regorgitam opiniões pessoais, camufladas de puro ressentimento e inconformismo.
Edson, o encargo IMPOSTO só perde para a mais antiga das profissões - a prostituição, logo, este tema sempre esteve presente na vida das pessoas, uns pagando-o, outros sonegando-os - geralmente, os mais poderosos. O IMPOSTO se mantém forte, governo, após governo.
Sr. Edison, aceite a realidade; pague hoje os seus impostos, assim como os pagava no governo do seu partido (PSDB), ou não os pagava? Feliz Natal, extensivos à sua digníssima família, e pare de chorar, viu....
 
Pablo Ramenzzoni em 15/12/2010 09:24:27
Bem vindo ao Brasil!!!

Onde quem recebe menos de 1 mil reais anualmente de programas federais elegem os principais políticos deste país.
Nada contra os auxílios a quem precise, desde que haja um programa por traz desta pequena ajuda, porque não dar a vara de pescar, ao invés de estar a dar sempre o peixe na mão?
Governo Dilma nem começou ainda, e ao que tudo indica, a primeira medita tomada por ela é a elevação da taxa de juros (coisa que já começou esta semana).
Tudo para conter a inflação e blá blá blá.

Parece até reprise do governo lula.
 
Marcio Aparecido Brunholi em 14/12/2010 09:16:39
Como é revoltante essa máquina administrativa brasileira! O sistema está todo viciado, acretida que no locla onde eu trabalho existe uma espécie de associação, onde todo o mês e arrecadado uma certa quantia dos funcionários (cerca de 140 funcionários), que é administrada por dois ou três funcionários, E essa adinistração não presta conta do nosso dinheiro, não adiante já solicitamos várias vezes, já trocamos a diretoria e o roubo não pára. O que temos que fazer? A corrupção está no sangue do brasileiro? Por que o brasileiro é mau administrador?
 
Carlos de Carvalho Silva em 14/12/2010 09:12:00
A TUCANADA AINDA ESTA ESPERNIANDO???
 
felipe ferran em 14/12/2010 08:11:28
A politica de mentir descaradamente e sempre deu certo, o governo ganhou e continua a parassitar o Brasil que merece coisa melhor! Que lastima essa ditadura da mediocridade que deturpa nossa Sociedade.
 
Carlos d'Amore em 14/12/2010 07:56:14
Um texto brilhante. Pena que, por mais que pessoas como nós nos esforcemos para tornar essas e outras verdades públicas, o comodismo acaba retomando as rédeas da vida das pessoas.
 
Gustavo Espíndola em 14/12/2010 07:38:13
Do que foi falado no artigo, ainda existe muito mais coisas, que levariam muito mais linhas do artigo. Só neste País, que com tudo isso, o Presidente é unanimidade com 83% de aprovação. É exatamente pela falta de dicernimento, devido ao baixo nível da educação que isto acontece.

E assim continuaremos trabalhando 4 meses e 28 dias para pagar imposto e recebendo serviços de 5ª categoria. Pagar imposto de Suécia e receber serviço de Etiópia.
 
Ednilson Paulino Queiroz em 14/12/2010 07:33:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions