A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018

13/08/2018 07:05

Pagando por erros passados

Por Milton Lourenço (*)

Dados da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) mostram que as exportações de produtos manufaturados dos últimos três anos são menores do que aquelas que o País registrou em 2007. Naquele ano, foram exportados US$ 83,9 bilhões, ao passo que em 2017 as vendas chegaram a US$ 80,2 bilhões, em 2016 a US$ 73,9 bilhões e em 2015 a US$ 72,8 bilhões. O pior é que não há esperança de que esse quadro irá se alterar em 2018, mesmo porque o volume de negócios até o meio do ano caiu 33,3%, sinalizando uma tend&ec irc;ncia que pode resultar em declínio da atividade industrial e maior capacidade ociosa.

Como se recorda, esse declínio começou em função da crise econômica que começou em 2008 nos EUA, sintomaticamente depois que o governo brasileiro da época, com o apoio da Argentina, bateu de frente com o governo norte-americano nas negociações para a formação da Área de Livre-Comércio das Américas (Alca), passando a dar prioridade a um hipotético eixo de poder chamado Sul-Sul, ao lado de Índia e África do Sul, que em termos práticos poucos resultados ofereceu.

Se a Alca estivesse em vigência, provavelmente, as vendas para o mercado norte-americano continuariam em ascensão, apesar da concorrência chinesa, pois contariam com vantagens-extras como benefícios fiscais. Como exemplo, pode-se citar o México, que hoje destina para os EUA 80% de suas exportações, favorecido pelo Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta), também integrado pelo Canadá. É de se ressaltar que 90% das vendas do México para o exterior são de produtos industrializados.

Já o Brasil, uma década depois, embora seja a oitava economia mundial, continua estacionado na 25ª colocação no ranking mundial, com uma participação no comércio do planeta que pouco ultrapassa 1%. Em função disso, embora tenha apresentado superávits em sua balança comercial, o País vem perdendo mercado para seus produtos industrializados, inclusive na Argentina, que tradicionalmente sempre foi o principal comprador de produtos manufaturados brasileiros. Dessa maneira, tornou-se basicamente um exportador de commodities, cujos preços s ão balizados por cotações do mercado internacional, além de não contarem com nenhum valor agregado e produzirem poucos empregos.

Para piorar, está prevista para 2018/2019 uma queda nos preços internacionais das commodities, o que deverá agravar ainda mais o cenário. Até julho, o superávit comercial acumulado, por exemplo, ficou em torno de US$ 33,9 bilhões, registrando uma queda de 16% em relação ao mesmo período de 2017.

Reverter esse quadro de desindustrialização não será fácil porque, ainda que o País, por intermédio do Mercosul, venha a assinar acordos comerciais com a União Europeia e com a Aliança do Pacífico, a questão fundamental é o chamado custo Brasil, ou seja, aqueles fatores internos que impedem o produto manufaturado de competir internacionalmente.

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br. 

Médicos-veterinários e zootecnistas comprometidos com transparência e inovação
Vivemos tempos decisivos. Momento de escolher quem irá nos representar pelos próximos anos. No mês em que o processo democrático fervilha no país, mé...
Qualidade para antever o futuro da indústria
A qualidade na indústria acompanha as constantes mudanças disruptivas, orquestradas pelos avanços das tecnologias e inovações que movem o mercado. Ca...
Nobel sinaliza sobre fragilidade da economia frente às variáveis ambientais
Dois americanos foram os vencedores do Prêmio Nobel de Economia este ano. Ambos escolhidos por seus estudos estarem relacionados com interações entre...
Riscos fazem parte da evolução
Num mundo globalizado como o que vivemos, onde as informações surgem a cada instante e é possível realizar compartilhamentos de conteúdos e ideias, i...


O tal de "seu" Milton protagonizou um festival de asneiras no seu artigo.
 
Critico em 13/08/2018 07:53:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions