A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

24/07/2013 13:13

Papa tem discurso afinado com o da população brasileira

Por Jouberto Heringer (*)

Estamos no início da XXVIII Jornada Mundial da Juventude que está ocorrendo pela segunda vez na América Latina. Em 1987, quando aconteceu na Argentina, o contexto mundial refletido era bem diferente do que nos deparamos em 2013. Pode parecer uma distância pequena de 26 anos para uma Igreja que conta sua historia por séculos, mas em um período de rápidas e profundas transformações, este tempo faz eclodir diferentes questões.

A visita do Papa Francisco ao Rio de Janeiro pode ser considerada um evento marcante pela importância do momento político, econômico e social em que o país está vivendo.

Além disso, vai conseguir reunir um grande número de jovens do mundo inteiro que irão participar da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em um país em que continua sendo a maior nação católica do mundo, mesmo com a redução no número de fiéis ao longo das últimas décadas, de acordo com o IBGE.

O Papa Francisco tem um diferencial ao apresentar um discurso afinado com o da população brasileira e uma mensagem atual para a juventude com uma pregação ética de humildade.

Olhando para a Madri em 2011 alguns pontos políticos semelhantes se repetem com diferentes geradores. A crise institucional vivida pela Espanha gerada por uma oligarquia política envelhecida encontra semelhança com a crise brasileira deflagrada nas ruas pedindo uma nova postura dos políticos e da política brasileira que encontram-se, provavelmente, na maior crise de representatividade entre os poderes da nova República.

Se a JMJ de Madri aconteceu em um clima de insatisfação política do povo que teria na eleição de novembro o seu escoadouro, no Brasil, a eleição está ainda a um ano de seu desenrolar.

Voltando ao Brasil, ver o centro da cidade do Rio de Janeiro cheio de grupo de jovens de diversas partes do mundo, caminhando e por que não, passeando, juntos, abraçados, e alguns enamorados. O sorriso, expressão da alegria interior, vem com certeza de algo maior, que supera a distância, a língua, a cultura, e ouso dizer até a teologia cristã romana, tão dogmática quanto multifacetadamente divergente. Estes jovens estão em busca do Cristo apolítico, justo e ético.

Queria destacar algumas notas sobre o Papa que percebendo cativaram-me: a simplicidade, a negação da opulência, a postura pastoral, o discurso franco, as decisões éticas, o combate à corrupção na Igreja, sua identificação pessoal com sua missão... Sei que ele não é vicário nem o vigário, que muitos acentos teológicos fazem a Palavra adquirir tom menor, e que desejaria fosse ele mais Francisco como o São e menos Papa como o Bento.

(*) Jouberto Heringer é reverendo e professor, atua como capelão da Faculdade Mackenzie-Rio e clérigo Presbiteriano. Pesquisador em Cultos e Filosofia da Linguagem na Pós-Modernidade, é mestrando Ciências da Religião (Mackenzie/2013) e pós-graduado em Leadership (Singapore/2004) e Urban Mission (Princeton/1985). Possui graduação em Filosofia (UERJ/1991), Letras (UFRJ/1990), e Teologia (SPS/1985).

 

A reforma do gás natural
A agenda da competitividade é imprescindível para o desenvolvimento do país. Precisamos de reformas que reduzam o custo Brasil por meio da melhora do...
Tendência da Justiça do Trabalho e os reflexos no seu negócio
Não é novidade que a Justiça do Trabalho tem como objetivo facilitar a busca de direitos por parte dos trabalhadores. Ela faz parte de uma rede de pr...
O futuro da educação começa agora
Você, com certeza, já se pegou perguntando, em tom de curiosidade, para onde as mudanças desse mundo vão nos levar e qual será o destino das próximas...
Capitalismo de compadrio e corrupção sistêmica
Reza o bom senso que o Estado não deve tratar empresas nem bondosa nem cruelmente demais. Naquilo que tem de bom, a sabedoria proverbial vislumbra os...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions