A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

20/07/2015 13:45

Para ensinar, é preciso envolver

Por Marcelo Barros (*)

Tecnologia, redes sociais, nativos digitais... estes são alguns dos protagonistas da cultura interativa e instantânea em que estamos imersos e que vem gerando grandes desafios para as empresas, em especial as de educação. Como criar formas de ensinar e aprender que sejam eficientes e que, ao mesmo tempo, engajem o aluno de hoje? No segmento de idiomas, o dilema não é diferente. Para o brasileiro, estudar idiomas muitas vezes é como ir à academia. Ele já sabe que precisa, mas ainda parece encontrar dificuldades para tomar a iniciativa. O nosso desafio é justamente trazer à tona a motivação certa para isso.

Quando se trata do aprendizado de uma nova língua, o intercâmbio de experiências e culturas é certamente um dos principais fatores para motivar o aluno. Vemos isso acontecendo por meio de músicas, séries de televisão, filmes, notícias, e muitos outros conteúdos que são consumidos diariamente, em escala global, e que instigam a curiosidade e o compartilhamento de ideias sobre contextos novos e diferentes. Mas então como trazer esse envolvimento para dentro da sala de aula?

Antes de mais nada, é importante vermos a tecnologia não como um fator restritivo ou impositivo, mas como um agente auxiliador, que leva ao aluno aquilo que ele, frequentemente, não pode ter de outra forma: a experimentação. Acrescentar uma nova cultura à rotina do estudante é, seguramente, uma forma de engajamento que gera afinidade e abre possibilidades, sobretudo quando se mostra na prática o poder transformador que um novo idioma pode ter em sua vida.

Temos experiências ótimas no Brasil e no mundo sobre como o blended learning – ensino híbrido que combina elementos presenciais e a distância – pode ser aplicado, explorando a sala de aula para que os alunos privilegiem a interação social, e utilizando as ferramentas online como complemento para a prática do idioma. Em geral, sabemos que hoje a experimentação fora de sala deve ir além de uma sessão de cinema com um filme sem legendas ou de músicas novas para treino da compreensão da língua estrangeira. É cada vez mais necessário avaliar os reais desejos dos alunos em relação aos objetivos de aprendizagem e, a partir disso, propor formas interativas e criativas para promover o engajamento por meio das plataformas digitais. Isto pode ocorrer por intermédio de jogos, conteúdo audiovisual, comunidades de discussão ou, até mesmo, a interação direta com pessoas nativas dessas outras culturas.

A tecnologia é uma grande aliada para encurtar distâncias e derrubar barreiras geográficas, aumentando o tempo e a qualidade da experiência do aluno com o idioma estrangeiro. Vamos, então, incentivar e explorar ao máximo a criatividade que nasce da combinação entre diferentes culturas e ideias para tornar a aprendizagem ainda mais significativa.

(*) Marcelo Barros é diretor de Educação do CNA, rede de franquias com 609 escolas de inglês e espanhol em todo o Brasil. É responsável por formação e desenvolvimento de pessoas, elaboração de novos produtos editoriais, consultoria pedagógica de campo e pelos certificados e demais produtos internacionais da rede. Ele também é diretor (voluntário) do BRAZ-TESOL, a maior associação de professores de inglês do país.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions