A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

08/07/2012 12:28

PNE 2011-2020 e o xis da questão

Por Bruno Peron (*)

Educação é um discurso tão polissêmico quanto cultura o é na medida em que é vulnerável a interpretações inúmeras e a atritos incuráveis entre os que promovem mudanças egoístas e as vozes roucas que solicitam o viés público através do qual os brasileiros se iluminem.

Gestores públicos da Educação têm trabalhado para remexer suas diretrizes e estabelecer novas metas para alcançar ao longo da década. Olhemos para uma destas propostas.

Fernando Haddad - ex-Ministro da Educação no Brasil - entregou o projeto de lei n° 8035/2010 - conhecido como "Plano Nacional de Educação" para o decênio 2011-2020 - ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 15 de dezembro de 2010. Há chance maior de continuidade no cumprimento do PNE 2011-2020, uma vez que Dilma Rousseff sucedeu Lula na Presidência pelo mesmo partido político (Partido dos Trabalhadores), enquanto o Plano anterior nasceu durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (Partido da Social Democracia Brasileira) e encarregou-se a Lula com dois anos de vida.

Uma vez que este projeto de lei do Executivo seja aprovado pelo Poder Legislativo, o documento resultante norteará todas as políticas educacionais no país.

O projeto de lei passa por revisão numa Comissão Especial do Legislativo em diálogo com outras Comissões: Constituição e Justiça; Direitos Humanos e Minorias; Educação e Cultura; Finanças e Tributação; Seguridade Social e Família. A aprovação pela Comissão Especial tem sido demorada porque o Projeto de Lei recebeu mais de 3 mil propostas de emendas. É mister, ainda, que este projeto se debata com participação ampla do professorado e de outros profissionais envolvidos em políticas educacionais.

Há 12 artigos e 20 metas no PNE. Algumas destas são: aumento da média de escolaridade (anos em que o estudante frequenta a escola) na Educação básica; alfabetização de todas as crianças de até 8 anos; garantia de planos de carreira aos professores de todos os níveis de ensino; e ampliação do orçamento federal à Educação para o mínimo de 7% do produto interno bruto do país. A imprensa tem reiterado que os dois temas mais importantes do PNE são: a valorização da classe dos professores (Meta 17) e a qualidade da Educação no país.

Algumas metas envolvem políticas públicas de outros setores, como inclusão de deficientes físicos, inclusão de grupos étnicos, "sustentabilidade sócio-ambiental", promoção tecnológica, "respeito à diversidade" e "gestão democrática" (http://portal.mec.gov.br). A Educação se presta a um leque abrangente de políticas públicas, visto que a melhora do condicionamento educativo de qualquer povo reflete em seus índices de desenvolvimento.

O termo "universalizar" constantemente aparece entre as metas do PNE. Seu discurso sugere que a dificuldade está no acesso às instituições educativas e, logo, na melhora de sua qualidade. Podemos mencionar a relação elevada entre candidato/vaga em cursos universitários gratuitos e a deserção das escolas estaduais. O acesso a instituições de ensino, porém, poderá consistir numa mera formalidade que não garante a apropriação real do gênero de Educação idealizado pelo humanista mais sábio. É preciso, para isso, conciliar as demandas das diversas classes sociais com um programa integrador da nação.

O PNE carece, ainda, de metodologia pragmática para alcançar suas metas, a despeito da longa enumeração das "Estratégias", que é mais extensa que a própria definição de cada meta. Elabora-se, vota-se e aprova-se no Congresso Nacional um documento de altíssimo nível, mas logo surge a dúvida de como realizá-lo ou, noutras palavras, de quem começa a arregaçar as mangas e como. A boa vontade de políticos e legisladores ainda estará longe de concretizar-se enquanto os que mais deveriam preocupar-se com o assunto sequer lerão o PNE, quanto menos discutirão seus pontos. Minha crítica, portanto, não se dirige aos que prepararam o documento, que contém tópicos avançados e criteriosos.

A atenção principal, por fim, deverá voltar-se às crianças em idade escolar prematura a fim de que cresçam com nível educativo satisfatório, vontade de aprender e respeito a alguma ética que priorize o trabalho. Muitos pontos do PNE 2011-2020, no entanto, contrariam o lóbi das instituições educativas privadas que tingem os tapetes do Congresso Nacional.

A qualidade técnica e jurídica do PNE 2011-2010 não constitui aqui o xis da questão.

(*)Bruno Peron é mestre em Estudos Latino-americanos por Filos/ UNAM (Universidad Nacional Autónoma de México)

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions