A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

26/11/2011 13:34

Por que a Emenda Constitucional 29 é tão importante

Por Geraldo Resende*

A clareza e a coerência do trabalho de um político são mensuradas pelas bandeiras que defende. Houve um momento da história da humanidade que as causas políticas se diferenciavam de maneira dual: direita e esquerda. Atualmente, a conquista da estabilidade econômica e os avanços sociais, provocaram uma sensação de bem estar, que transformou a cobrança popular em temas pontuais e pragmáticos.

Uma das maiores preocupações do cidadão brasileiro, diagnosticado em pesquisas, é o serviço de saúde pública. Esta demanda é comprovada a cada matéria jornalística em jornais, telejornais e rádios, que registram gravíssimos problemas neste setor. Recentemente, o Governo brasileiro foi condenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pela morte de uma jovem grávida, que não foi atendida, no Estado do Rio de janeiro.

A mídia presta um importante papel como termômetro social. No dia 28 de agosto, a revista eletrônica “Fantástico”, exibida pela Rede Globo, relatou a história de uma mulher que perdeu os gêmeos, também por falta de atendimento. Na mesma oportunidade, o noticiário denunciou um município no interior de Pernambuco, onde crianças apenas podem “nascer de segunda a quinta-feira”, por falta de médicos.

As deficiências na saúde brasileira não são particularidades do interior do país. A população dos grandes centros também sofre com filas gigantescas, dificuldades para marcar consultas especializadas e exames, falta de vagas, dentre outras limitações.

A intenção do Sistema Único de Saúde (SUS), quando forjado, é um exemplo a ser copiado por todos os países, mas sua consolidação no Brasil demanda, além de gestão, um orçamento robusto, perene e bem definido.

A Emenda Constitucional (EC) 29 é a proposição que pode proporcionar as garantias orçamentárias a um bom funcionamento da saúde pública. A EC29 define com clareza matemática o que é e o que não pode ser considerado investimentos em saúde. Quando essas regras estiverem em vigor, as porcentagens de gastos com a saúde da União, Estados e municípios, também serão delimitados.

Trocando em miúdos, regulamentar a Emenda Constitucional 29, é fazer com que os recursos destinados para a saúde se tornem efetivamente, postos de saúde, hospitais, medicamentos nas prateleiras, médicos disponíveis, diminuição das filas, consultas especializadas, exames e uma saúde mais próxima e humana. O texto principal da proposta já foi aprovado em 2008 pelo plenário da Câmara dos Deputados, mas, por falta de acordo, a votação não foi concluída. A proposição já tramita no parlamento há mais de uma década.

Todos sabem que sou médico, e defendo esta organização e aporte de recursos para a saúde desde os bancos da faculdade. Lutei para a aprovação e posterior regulamentação da EC 29 desde o primeiro ano de meu primeiro mandato como deputado federal. Já fui secretário de saúde e sei o que é gerir a saúde de um Estado com poucos recursos.

Quando falo em bandeiras e em coerência é para conclamar a sociedade civil organizada e todo e qualquer cidadão de bem, para estarmos vigilantes, voltando nossos olhos para o Congresso Nacional e pressionando os deputados que receberam os votos e se sagraram vencedores a confirmarem seus compromissos com a população. Faço um apelo emocionado: é momento de lotar a caixa de e-mail dos deputados e bradar: Emenda Constitucional 29, agora é a hora!

(*) Geraldo Resende é médico e deputado federal - PMDB/MS

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


Parabens Dep.Geraldo Resende, agora sei que o não perdi meu voto. Espero que ao
se tornar prefeito de Dourados, deixando o legislativo pelo executivo, não mude seu
modo de pensar e agir aplicando aquilo que hj o ser tem como conceito para uma
medicina que atenda as populaçoes do Brasil e principalmente a de Dourados.
 
junior em 26/11/2011 04:20:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions