A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

12/06/2018 17:46

Por que o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil ainda existe?

Mesmo em 2018 ainda há muito a se combater - 1,8 milhão de crianças e adolescentes com idades entre 5 e 17 anos trabalham ilegalmente no Brasil

Pedro Braga Carneiro

No dia 12 de junho celebra-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. A data foi instituída em 2002 pela Organização Internacional do Trabalho – OIT, agência da ONU, para sensibilizar e mobilizar a população para o enfrentamento à exploração econômica de crianças e adolescentes.

Mas o que se entende por trabalho infantil? É toda atividade produtiva desenvolvida por indivíduos abaixo da idade permitida por lei (inferior a 16 anos ou 18 anos para trabalho noturno), que oferece riscos para seu desenvolvimento físico, emocional e social, além de causar prejuízos à sua saúde e educação.

São vários os motivos pelos quais o trabalho precoce prejudica o desenvolvimento infantil. Os equipamentos, maquinários e mobiliário de toda rede produtiva não foram desenvolvidos para o tamanho e força da criança e adolescente. Por isso, há maior propensão a acidentes e lesões. No que se refere à educação, a recorrente evasão e o baixo aproveitamento escolar de crianças e adolescentes exaustos pela atividade laboral dificultam o acesso ao mundo do trabalho na vida adulta. Ainda, a natureza das relações produtivas, com exigência de responsabilidades as quais crianças e adolescentes não têm preparo para assumir, implicam em fatores emocionais danosos à saúde destes sujeitos.

É por isso que a legislação no Brasil, assim como em outros países signatários da Declaração dos Direitos da Criança (ONU, 1959), proíbe a realização de atividades laborais para tais indivíduos – exceto na condição de aprendiz, que é permitida a partir dos 14 anos.

Além disso, o Ministério do Trabalho e Emprego classifica uma lista das Piores Formas do Trabalho Infantil, entre as quais figuram práticas análogas à escravidão, exploração sexual, tráfico de drogas, atividades penosas e insalubres. Ademais, é importante ressaltar que mesmo o trabalho doméstico pode ser nocivo se as tarefas forem incompatíveis com o potencial de cada faixa etária, se prejudicarem o tempo de estudo e de brincar, e se as crianças forem responsabilizadas por eventuais insucessos no cumprimento dos afazeres.

Apesar dos dispositivos legais, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reconhece, com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2015, que pelo menos 1,8 milhão de crianças e adolescentes com idades entre 5 e 17 anos trabalham ilegalmente no Brasil. No mundo, a OIT estima que este número chega a 168 milhões, ou seja, 11% da população mundial nesta faixa etária.

A importância da ação da sociedade civil organizada

Para combater essa realidade, é fundamental o papel das políticas públicas. Por exemplo, os programas de aprendizagem configuram-se como alternativa para o desenvolvimento profissional adequado de adolescentes a partir dos 14 anos. Segundo a Agência Brasil – agência de notícias nacional –, em 2017, 369 mil jovens ingressaram no mercado formal de trabalho a partir de iniciativas majoritariamente ofertadas por organizações sociais. Uma destas ofertas é o Programa Jovem Aprendiz, do Grupo Marista, que concilia formação teórica e atividades práticas para formação profissional e humana de adolescentes.

O Sistema Único de Assistência Social também contribui para a superação deste cenário. Os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, ofertados nos Centros de Referência de Assistência Social – CRAS e por instituições da sociedade civil, oferecem espaços seguros e propositivos para públicos em vulnerabilidade, como crianças expostas a atividades laborais. O Conviver Marista – projeto que oferece educação integral e gratuita para aproximadamente três mil crianças em situação de vulnerabilidade social – é um destes serviços, que atua na perspectiva da promoção de direitos e no desenvolvimento de projetos de vida para crianças e adolescentes.

Além disso, as escolas são importantes parceiras para a mobilização permanente da comunidade educativa sobre o tema, a fim de prevenir, identificar e encaminhar casos aos órgãos de proteção.

Diante deste panorama, é responsabilidade de toda a sociedade empreender ações criativas e significativas para a proteção de crianças e jovens, compreendendo o papel protagonista deste público para a promoção de uma realidade mais justa e saudável.

Pedro Braga Carneiro

Psicólogo –CRP 08/13363

Coordenador Psicossocial da Diretoria Executiva de Ação Social

Rede Marista de Solidariedade – RMS

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions