A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

31/03/2015 10:34

Por um país melhor

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Parece que de novo está tudo fora do lugar. Déficits na balança comercial e nas remessas de juros, lucros e falcatruas. A sina das repúblicas das bananas é ser nada mais do que um quintal com seus predadores. Quanto mais aumenta o apagão mental geral, menores são as chances de surgimento de estadistas sérios e patriotas. O século 21 ainda não viu a cara dos que querem um Brasil melhor. Tomara que eles se apresentem logo!

Pátria educadora ou achacadora? A vida dos pseudoestadistas está muito boa, mudar para que? Só para construir um Brasil melhor? Que vantagens terão com isso? Por que aprovar uma legislação séria, se é no caos das leis que muitos se beneficiam acobertando sua desídia e irresponsabilidade?

Circula na Internet relatos sobre os financiamentos concedidos pelo Brasil para obras de infraestrutura em outros países, mas faltaram algumas importantes informações como: qual a necessidade das concessões; que benefícios trouxeram para o Brasil; não teria sido mais adequado aplicar esses dólares em saneamento, estradas, e outras obras aqui necessárias?

O governo não pode se confundir com a classe empresarial, pois cada um tem a sua missão para cumprir. Cabe ao governo manter o equilíbrio em tudo, organizar as finanças, controlar os gastos, possibilitar condições para produção competitiva e consumo adequado, manter o equilíbrio na exportação e importação, preservar o meio ambiente e assegurar a escolaridade. Deve ainda impedir que o desajuste nos gastos descambe para os juros escorchantes, não fazer do câmbio arma eleitoreira, não dar margem para a especulação cambial, não cair no endividamento interno ou externo, e manter a independência sem a interferência dos poderosos. As empresas, de outra parte, devem agir com lisura. E todos, com patriotismo.

Os investidores estão céticos; o mercado exige ajuste fiscal que vai gerar recessão e desemprego. Sem equilíbrio nas contas, o Brasil perde o crédito e o real mostra sua fragilidade ante o dólar. A verdade é simples: numa época como a atual, deixar a riqueza nas mãos dos prepotentes gestores do estado, sem prestar contas, é no mínimo temerário, para não dizer uma loucura.

Lamentavelmente, o governo se descontrolou nas contas, gastando mais do que podia. Não deveria ter feito isso, pois sabia das consequências nefastas. Mas o pior foi o relaxamento na política cambial permitindo que de novo caíssemos nessa armadilha, com déficit no ano de 2014 de US$ 91,3 bilhões. A dolarização da economia não ajuda, pois sempre faltam dólares, o que exige a dependência de empréstimos ou a sua captação no mercado especulativo.

Quando num passe de mágica os dólares voam velozmente para fora, o país cai na rua da amargura, pois todos os preços que estavam contidos artificialmente, explodem. Os juros elevados sugam a riqueza produzida. O FMI e o Banco Mundial poderiam ter possibilitado melhor adequação desse desajuste nas transações, próprio de economias frágeis e dependentes, mas deixaram espaço aberto para as crises cíclicas.

A incúria administrativa e as medidas irresponsáveis para conservar o poder vão se tornando domínio público. Precisamos de um sistema econômico que consiga exportar num volume que se equilibre com as importações, e as remessas de juros e lucros para fora do país. No entanto, face aos desequilíbrios, a nação ficou obrigada a pagar o preço do ajuste fiscal. Mesmo assim, que garantias teremos de recuperação e estabilização das contas nesta economia global predatória, e nesta escassez de estadistas sérios e competentes?

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions