A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

16/08/2013 09:25

Por uma nova e, necessária, consciência ambiental

Por André Luis Xavier Machado (*)

A Revolução Industrial, principiada na Inglaterra na segunda metade do século XVIII, possibilitou a libertação dos grilhões da força humana do trabalho e as sociedades se tornaram capazes da multiplicação rápida, constante e ilimitada de produtos e serviços. Sob qualquer aspecto, este foi o mais importante acontecimento na história do mundo, desde a invenção da agricultura e da metalurgia, da escrita, das cidades e do Estado. Tal revolução significou um conjunto de transformações em diferentes aspectos da atividade econômica – indústria, agricultura, transportes etc.

Esse acontecimento histórico que transformou e continua a transformar o mundo significou, sobretudo, segundo Hobsbawm (em A Era das Revoluções) uma revolução no processo de trabalho por meio da criação de um sistema fabril mecanizado que produz em quantidades tão grandes e a um custo tão rapidamente decrescente a ponto de não mais depender da demanda existente, mas de criar o seu próprio mercado. O autor exemplifica que não foi a demanda de carros que criou a indústria de porte atual, mas a capacidade de produzir carros é que fomentou a demanda em massa.

A partir de então, durante os séculos XVIII e XIX, o desenvolvimento científico começou a se relacionar com a produção e a ciência passou a ser colocada a serviço da modificação da natureza, em busca da solução dos problemas produtivos do ideal de progresso. No século XX começaram a se tornar visíveis os problemas advindos dos processos produtivos em larga escala. Ficaram evidentes os problemas sociais como a população das áreas industriais, o inchamento das cidades e a vida em condições desumanas de enorme parcela da população.

Além disso, o mundo despertaria para o sinal de alerta representado pelos inéditos e perigosos índices de poluição e degradação dos recursos naturais, posto que a indústria desenvolveu-se baseada em fontes energéticas extraídas da natureza e não renováveis como o carvão e o petróleo, que movimentam usinas, indústrias e as grandes economias mundiais, num volume produtivo sem precedentes.

A preocupação ambiental começou a ser discutida e amplamente difundida somente a partir das últimas décadas do século XX, e esse movimento ganha impulso com a Conferência Rio 92, que surge como resultado de uma crise de civilização, questionando a racionalidade e as tecnologias dominantes na época e propondo a diversidade e igualdade nas relações sociais, o combate à poluição e o apoio a iniciativas e ações de preservação de recursos naturais.

Assim sendo, compreendemos que a superação da atual crise civilizatória requer que a superação da ultrapassada mentalidade de progresso, mesmo a custa da destruição dos recursos naturais e a nova e necessária consciência ambiental. Requer também o inadiável reconhecimento e consciência de que todos nós somos responsáveis e devemos cuidar dessa enorme e flutuante esfera azul.

Nesse sentido, são louváveis e imprescindíveis as ações de educação ambiental, como o Dia Nacional do Campo Limpo, comemorado no dia 18 de agosto, mas com ações desde o dia 16. É uma interessante proposta que está na nona edição anual, promovendo atividades ligadas à preservação do meio ambiente, com ativa participação de crianças da rede escolar. Esta iniciativa possibilita, despertar nas crianças que dela participam e tomam conhecimento, a necessária consciência ambiental daqueles que, em poucas décadas, serão responsáveis pelos destinos do mundo em que todos nós vivemos.

(*) André Luis Xavier Machado é advogado e vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul.

Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...
Desglobalização seletiva
Para muitos analistas, a desglobalização significa a tendência das nações se fecharem para o comércio internacional. Neste movimento estão incluídos ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions