A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

30/10/2014 14:03

Poupar é possível

Por Roberto Durscki (*)

O ato de poupar ainda não é um hábito para maioria dos brasileiros. A maior parte das pessoas apresenta um comportamento impulsivo ou imediatista, ou seja, diante de um sonho ou desejo de consumo prefere utilizar soluções rápidas, independente da distância entre o valor do bem e das parcelas.

Com isso a preocupação em ter uma reserva financeira acaba ficando cada vez mais distante, tornando essa prática um ciclo vicioso. Sabe-se que 68% da população brasileira não reserva dinheiro para projetos pessoais ou situações de emergência, segundo pesquisa da Federação Nacional da Previdência e Vida (FenaPrevi), o que mostra um amplo espaço para ampliação do ato de poupar.

O ato de poupar não se restringe apenas em “sacrificar consumos”, mais do que isso é a consciência de economia ligada diretamente ao futuro, capaz de gerar uma sensação de segurança e independência financeira. Pequenas quantias economizadas mensalmente podem representar muito dinheiro ao longo do tempo. É possível realizar vários sonhos de consumo e ainda contar com uma reserva que permitirá viver com mais tranquilidade e sem sobressaltos.

Formada essa consciência, as pessoas passam a se planejar melhor para alcançar seus objetivos e fazer perguntas como: Quais sonhos quero realizar? Quanto dinheiro preciso para atingir cada um deles? Como pretendo obter estes recursos? Em quanto tempo você gostaria de realizá-los (curto, médio ou longo prazo)? Informações essências para nortear suas decisões de investimentos.

Ter metas é o começo para aprender a fazer escolhas mais racionais e inteligentes com o dinheiro. É fundamental pensar, sonhar, projetar, antes de começar a poupar. Se a meta for pagar integralmente uma boa faculdade para seu filho, que acabou de nascer é possível abrir uma conta em nome dele. Quando ele tiver 17 anos, supondo que queira cursar uma universidade que custe R$ 1.000 por mês, você precisará ter poupado cerca de R$ 50 mil neste período.

Caso você deposite, mensalmente, R$ 200 você terá cerca de R$ 70 mil**, valor suficiente para arcar com o curso, além de conseguir custear o material didático que ele vai utilizar, por exemplo.

Ações como, construir uma planilha de gastos e despesas, gerenciar a utilização do cartão de crédito, destinar cerca de 10% do seu salário em investimentos conservadores com boa rentabilidade e estudar sobre investimentos podem ser um bom início para se ter uma boa reserva financeira no futuro.

O Sicredi oferece um portfólio completo de investimento, com soluções adequadas ao perfil dos associados, que além de ganharem com a rentabilidade das aplicações, ganham investindo em uma instituição financeira cooperativa. Os recursos aplicados ficam na região da cooperativa e contribuem com o desenvolvimento econômico local.

(*) Roberto Durscki é superintendente de Produtos e Serviços Financeiros do Banco Cooperativo Sicredi

** apenas para efeito de simulação, baseado na remuneração da

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions