A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

26/06/2013 10:08

Povo na rua. O castigo veio de ônibus

Ruy Sant’Anna

O discurso da presidente Dilma foi cheio de vazios e entre linhas. Qualquer análise que fizesse sobre todo ele, tomaria muito espaço, o que impossibilitou qualquer tentativa de fazê-lo aqui.

A lição que se tira dessa fala da presidente, é que ela não está preparada para dialogar com o povo, mas ditar regras num falso diálogo. O que se entende é que as medidas, pelos menos em grande parte, são provisórias como as da saúde com vindas de médicos “importados”, como disse ela: provisoriamente.

As medidas anunciadas pela presidente são pra valer mesmo ou somente provisórias como se referiu sobre os médicos “importados”? Ou disse “provisoriamente” só para acalmar a revolta da população e dos médicos brasileiros?

A vitória popular no transporte urbano não pode ficar em pedaços. São inadiáveis outras soluções, além da redução da tarifa.

Quanto às tarifas dos ônibus são pra valer, ou é um recado para os “prefeitos amigos, da base aliada” de que passado o movimento, tudo volta como antes.

Quer dizer que enquanto o povo estiver nas ruas, as tarifas serão mantidas?

Acontece que o povo está acordado. Ele sabe que a questão não é apenas o aumento ou a redução da tarifa, mas o enfrentamento do problema como um todo.

É preciso que melhorias físicas sejam feitas e que na aquisição de novos carros estes sejam colocados à disposição dos passageiros que perdem muito tempo na espera dos ônibus. O que o povo não aceita é ver o pátio das empresas com alguns carros novos, e velhos ônibus circulando em pouca quantidade e muito atraso.

É preciso que sejam erguidas pequenas plataformas de acesso aos veículos, em todos os pontos de ônibus e também as coberturas de proteção do sol e chuva.

Pessoas idosas ou que tenham problemas de coluna têm necessidade da acessibilidade com urgência.

A acessibilidade a idosos, crianças e portadores de deficiência, mesmo que não sejam cadeirantes, mas que tenham dificuldades e correm risco de acidentes, precisa ter a atenção do prefeito municipal, seja de Campo Grande ou outro município do estado.

Os idosos têm de ser respeitados em seu direito de transporte gratuito, como manda a lei, isto é, com todos os motoristas parando para recebê-los e deixando-os nos pontos que solicitem.

Falta fiscalização por parte da Agetran com a velocidade e a quantidade de pessoas que são colocadas dentro dos ônibus. Também tem de ser fiscalizada a colocação dos cintos de segurança em todos os carros e que estes tenham cartazes que expliquem a indispensável importância do cinto de segurança para todos os passageiros.

Entre as reivindicações que a Agência de Transporte e Trânsito de Campo Grande e outras cidades sul-mato-grossenses poderiam adotar está a reformulação ou criação do Conselho de Transporte, para fixar proporcionalidade das representações que ali têm assento. Para tornar a representatividade mais democrática e participativa, essa é a hora.

É preciso garantir direitos como a meia passagem, o passe livre para prounistas e cotistas. E que seja constituído um controle de Qualidade dos Ônibus, estabelecendo obrigações mínimas; como: ar condicionado nos carros; intervalos máximos de 10 minutos entre ônibus; ampliação programada das frotas, e também a atenção especial para a ampliação das ciclovias; também com a atenção aos motociclistas que devem ter suas faixas preferenciais horizontais pintadas antes dos semáforos (como adotado na capital de São Paulo).

Que seja garantida a reunião dos prefeitos de cidades que tenham transporte urbano de usuários como algo assemelhado a um Conselho de Transporte de Passageiros, junto dos estudantes. E que essa reunião ocorra pelo menos três vezes ainda neste ano, para que se avalie se as reivindicações do Movimento Popular estão sendo atendidas.

Que sejam tratadas com prioridade e urgência a pauta de reivindicações que já foram ou que ainda serão apresentadas. Sobretudo, que se garanta a participação ativa, sem perder o caminho da democracia direta, onde cada um tenha o poder de voz, voto e veto. Com todos esses direitos e mais a civilidade de cada pessoa, falaremos praticamente a mesma língua, da gentileza e da cidadania.

Finalizando volto ao título deste artigo. A presidente Dilma não dá entrevistas costumeiras nem de vez em quando. Ela só se une ao povo pela televisão ou rádio; não cumpre com suas promessas eleitorais e ainda acumula com outras, como agora. Por causa dessas atitudes, o seu castigo não veio a cavalo. O castigo de Dilma veio de ônibus. Esse veículo arrombou as comportas que retinham as reclamações populares. Hoje fico por aqui, com meu bom dia, o meu bom dia pra vocês.

Ruy Sant’Anna é jornalista e advogado. 

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



Cara, Eusely Batista Martins ( em 26/06/2013 10:57:18), gostei de seu interesse pelas soluções que você e o povo reclama. Agradeço a cada um e a todos que se manifestam neste espaço. Ele serve para que as pessoas participem. Aqui no campograndenews existe este espaço que é seu e de todos que queiram dar a sua opinião. Bem vinda. Pretendo ampliar este espaço para que haja mais participação. Afinal, este é um espaço jornalístico opinativo. Abç. do Ruy Sant’Anna.
 
Ruy Sant'Anna dos Santos em 28/06/2013 11:48:09
Em nossa Capital temos um déficit de unidades de saúde entre outras coisas, porém é necessário frisar que temos construções destas em ritmo lento. A UPA das Moreninhas, a reforma do prédio do Jardim Macaúbas que se arrasta a passos de tartaruga.... O que é que está faltando? Mão de obra qualificada? Verba?
 
Eusely Batista Martins em 26/06/2013 10:57:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions