A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Junho de 2018

02/07/2013 06:33

Prós e contras na balança da terceirização

Por Vagner Jaime Rodrigues (*)

A terceirização pode ser o atalho necessário para modernizar processos, fazer um redesenho tributário e reduzir custos, pelo enxugamento de atividades secundárias e das despesas invisíveis ligadas a elas. Diminuição de riscos trabalhistas e contingenciais, mais tempo livre para focar no negócio e informação de qualidade para embasar a tomada de decisões são outros ganhos propiciados pela medida.

Na soma final, estamos falando em aumento da eficiência – artigo de primeiríssima necessidade em um Brasil que escorregou nada menos do que cinco posições no ranking mundial de competitividade apurado pela conceituada escola de negócios suíça IMD (International Institute for Management Development).

Quando a pesquisa foi divulgada no final de maio, mostrando o país em um desconfortável 51º lugar entre 60 nações, a própria IMD deu a fórmula para o aumento da competitividade e, nela, pelo menos três requisitos conversam com a questão da terceirização: educação, apoio às PMEs e disciplina fiscal.

Só como exemplo, vale lembrar que os parceiros contratados dispõem de profissionais altamente reciclados nas respectivas áreas e conhecedores das melhores práticas operacionais, legais e gerenciais. Isso contribui para diminuir os efeitos de uma formação acadêmica insatisfatória no time interno e permite compartilhar ideias com experts que estariam fora do alcance da maioria das pequenas e médias empresas.

A pergunta que fica é por que então a balança nem sempre pende para a terceirização? Medo de perder o controle sobre dados e processos da empresa, inseguranças quanto à qualificação do parceiro e ao tratamento das informações prestadas e recusa em demitir colaboradores são alguns motivos frequentemente alegados pelas empresas.

A questão é que para a maioria desses problemas haveria soluções simples, como contratação exclusiva de parceiros idôneos, possibilidade de requalificar e recolocar os melhores colaboradores em novas funções e assim por diante.

Incontornável é a compulsão brasileira para complicar e imobilizar. Enquanto Estados Unidos, Canadá e União Europeia dão à terceirização a exata dimensão de um contrato entre duas empresas ou uma empresa e um prestador de serviço (e ponto!), nós continuamos com discussões intermináveis para conceituar atividades-meio e atividades-fim e não se aprova (nem se rejeita) o projeto que está desde 1998 na Câmara dos Deputados com a proposta de simplificar os processos de terceirização.

Bom dia! O mundo mudou e as relações de trabalho também. O apego a conceitos ultrapassados penaliza as empresas, principalmente pequenas e médias, e deixa de criar mecanismos que garantam a segurança de contratantes e contratados nos processos de terceirização. E aí, o que devia ser um diálogo entre terceirização e competitividade transforma-se em mera cacofonia.

(*) Vagner Jaime Rodrigues é mestre em contabilidade e professor universitário.

A descotização da Eletrobras
A maior empresa de geração e distribuição de energia elétrica do país, a Eletrobras, amarga prejuízos nos últimos anos em função da política energéti...
A liberdade está sob ameaça dos insensatos
A contundente e oportuna defesa da liberdade de imprensa feita, em seminário recente, pela Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministra Cármen Lú...
Importa que a coisa ande
Independente do resultado de sua votação em plenário, o Projeto de Lei 3200 (sobre o registro de defensivos agrícolas) deu um passo importantíssimo c...
A Rússia que você não vai ver na Copa
‘Sob nuvens elétricas’ é um filme que, ambientado em 2017, um século após a Revolução Bolchevique, mostra uma Rússia que não aparecerá na Copa do Mun...


A terceirização só é boa para as empresas e patroes, para o trabalhador nunca foi e nunca será boa.
 
SIDNEI MENESES AQUINO em 02/07/2013 07:04:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions