A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

14/11/2014 08:46

Que reforma política e para quê?

Por Newley Amarilla (*)

No cardápio do próximo mandato presidencial (2015-2018) a reforma política parece ser o prato principal. Mal terminou a eleição e todos falam dela. Mas, que reforma política? E para quê?

De um modo geral, todos os brasileiros concordam que são necessárias mudanças para aperfeiçoar o sistema eleitoral brasileiro, todavia, não há unanimidade quanto às transformações em si. A reforma política consiste precisamente nisso, ou seja, no conjunto de alterações que deve sofrer o nosso sistema eleitoral para assegurar de modo mais eficaz a tradução da vontade popular na escolha dos parlamentares (vereadores, deputados e senadores) e chefes do executivo (prefeitos, governadores e presidente).

Passa essa reforma pelos seguintes temas, entre tantos outros: o tipo de financiamento das campanhas eleitorais (empresarial, como é hoje, ou público, com limite para doação de pessoas físicas); o fim (ou não) da reeleição; o fim (ou não) do voto secreto nas casas parlamentares (Câmaras, Assembleias, Senado e Congresso); a manutenção (ou não) do voto obrigatório; a unificação (ou não) das eleições municipais, estaduais e presidencial), para que todas se realizem a cada quatro ou cinco anos, por exemplo.

O Congresso, por meio de uma comissão mista, vem debatendo o assunto desde 2011 e há consenso quanto à necessidade de que seja (a reforma) aprovada por um referendo, isto é, o Congresso apresentaria um projeto final de reforma política e o povo o aprovaria ou não. Num plebiscito, os eleitores teriam que responder a perguntas sobre quais pontos deveria incidir a reforma, cujo resultado serviria de base ao posterior trabalho legislativo.

Não há dúvida que o referendo seria mais adequado ao que se pretende, podendo a reforma ser veiculada por uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que seria levada ao escrutínio popular, em homenagem à democracia e em resposta à demanda do povo brasileiro por mudanças na política.

Mas de nada adianta fazer uma reforma política se não se sabe claramente para que ela servirá. A política é meio, não pode ser um fim em si mesmo. É o meio para se alcançar e exercer o poder; logo, é preciso que saibamos para que queremos o poder e como vamos exercê-lo.

Temos, nós brasileiros, uma ideia (equivocada!) de que a lei pode tudo e que devemos ter uma lei para tudo. Mas o fato é que a lei também é instrumento, posto para disciplinar comportamentos e vedar condutas, sempre com vistas a um fim.

Não podemos querer uma reforma política apenas porque não queremos mais corrupção (mensalão, petrolão etc.), afinal, para evitá-la, é necessário caráter dos nossos representantes e diligência do eleitor ao escolhê-los.
Infelizmente, não há lei que determine que alguém tenha caráter ou haja com altruísmo, mas é possível eleger os que se apresentem com melhores propósitos e já tenham demonstrado em atuações anteriores que respeita a boa política.

E mais, parece que o problema da corrupção encontra sua raiz no financiamento eleitoral e nos elevados custos das campanhas, de modo que uma profunda alteração nesse item poderia ser a solução, evitando-se a promiscuidade entre dinheiro e política. Porém, não é só isso que o povo quer.

Pelas manifestações por mais ética na política e pelo fim da impunidade, percebe-se que nós, brasileiros, queremos governos que gastem com probidade, que invistam em educação, saúde e segurança além das campanhas publicitárias, que valorizem o professor e o ensino realmente idôneo, capaz de transformar pessoas, viabilizando empregos e oportunidades, assegurando a existência de um Estado que preste serviços decentes e possa garantir o acesso de todos a uma vida digna.

(*) Newley Amarilla, advogado

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions