A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

13/08/2011 11:11

Quem faz a escola?

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

A bolacha vende mais porque é fresquinha ou é fresquinha porque vende mais? Esse tipo de raciocínio tem um nome complicado: tautologia. Pelo dicionário, trata-se de uma “expressão que repete o mesmo conceito já emitido, ou que só desenvolve uma ideia citada, sem aclarar ou aprofundar sua compreensão”.

O mundo da educação não está livre de dizeres tautológicos: a boa escola é feita por bons alunos ou são bons alunos que fazem a boa escola?

A resposta para esse dilema pode estar em um estudo feito pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da Republica, Instituto Ayrton Senna e movimento Todos pela Educação.

O levantamento revisou cerca de 200 artigos científicos nacionais e internacionais sobre educação e concluiu que aluno aprende 68% mais com professores de qualidade. Ou seja: é a escola que faz o aluno – educadores despreparados e desmotivados prejudicam o desempenho desse jovem.

Além disso, outros fatores são determinantes para aprimoramento do aprendizado, dentre os quais se incluem a quantidade de alunos por sala, apoio e estrutura da instituição de ensino.

A pesquisa quantificou até mesmo o impacto que a perda de uma aula gera para o aluno: a absorção de conhecimento de classes que perdem uma aula por dia letivo é 44% menor.

As conclusões, portanto, tiram dos jovens uma responsabilidade que muitos especialistas lhes tentaram imputar, na tentativa de isentar governos e escolas da má condução da educação brasileira ou, no mínimo, confundir o interlocutor com um raciocínio que não permite aprofundar a compreensão do problema.

Esse imobilismo não tem outro resultado senão as notas vexatórias de avaliações internacionais – como o Program for International Student Assessment (Pisa), que nos coloca atrás de nações como Turquia, Uruguai, México e Colômbia – e a baixa qualificação da mão de obra brasileira, que tanto ameaça a manutenção do desenvolvimento nacional no ritmo que tem se registrado nos últimos anos.

É preciso transformar a educação em prioridade nacional, engrossando o coro de intelectuais como Ozires Silva, fundador da Embraer e ex-presidente da Petrobras, que conhecem o poder transformador do conhecimento, focando especialmente o ensino superior.

Aliás, Ozires Silva capitaneia uma elogiável cruzada em favor da desoneração da Educação, propondo soluções inéditas que afetam até mesmo o dia a dia das empresas e suas políticas de incentivos educacionais.

Entre as propostas que sugere estão a desoneração das instituições de ensino – visto que cerca de 30% das mensalidades são tributos –, a criação de estímulo para as empresas promovam a capacitação entre seus colaboradores e a revisão das políticas de concessão de crédito para pesquisa e desenvolvimento.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions