A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

23/03/2018 07:28

Redes sociais – mitos e fatos versus importância no agronegócio

Por José Luiz Tejon Megido (*)

Marcos Facó, diretor de comunicação e marketing da Fundação Getúlio Vargas, disse no dia 12 de março que as redes sociais não têm o poder de eleger ninguém.

Ele atribui isso a uma grande predominância nos rincões do interior do país, das mídias rádio e TV. Consequentemente, quando falamos de agronegócio, falamos do interior brasileiro, e um interior que despertou nos últimos 30 anos mais efetivamente.

O que move a boa comunicação está na qualidade da essência do seu fundamento. Existem verdades que não morrerão jamais, e ao mesmo tempo, uma série de retalhos de partículas de verdades que nos permitiriam contar um monte de mentiras.

A última pesquisa da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio –ABMRA feita em 2017 registrou e surpreendeu com o crescimento da mídia do rádio, como a mais capilar e com audiência elevada junto aos produtores rurais.

Mídia social é a segunda em crescimento, o que revela a importância da mídia rádio com as redes sociais de credibilidade. Reunidas, e não isoladas.

Na comunicação, o meio vira mensagem, mas o conteúdo do que se comunica faz a diferença, e precisamos elevar a comunicação do agronegócio a patamares que rompam o tempo e fujam das discussões bobas, em que redes sociais parecem briga de rua e de torcidas organizadas.

A grande narrativa para o agronegócio brasileiro não está em dizer de forma arrogante que produzimos e vendemos comida para o mundo todo e de que sustentamos o pessoal da cidade. Sim, o efeito do agro brasileiro tem permitido isso, mas há muito a ser feito.

Porém, a causa maior que move o agro do Brasil foi no descobrir e no dominar no uso da ciência, da tecnologia e do conhecimento com sustentabilidade para produzir nas condições do cinturão tropical do planeta Terra.

É mostrar que temos cerca de um milhão de produtores familiares pequenos e médios, todos cooperativados e progredindo. Além de produzir comida, aprendemos a produzir educação e uso do conhecimento no campo, que gera agora uma agrossociedade, pairando acima do agronegócio.

O rádio, a mídia que mais cresceu junto aos produtores rurais do Brasil, e o Brasil, mais do que comida, aprendeu a produzir alimentos, energia, fibras, celulose, proteínas, com a educação desse conhecimento.

Somos uma casa de agro educação no cinturão tropical do planeta terra.

(*) José Luiz Tejon Megido é CCAS (Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável) e Dirigente do Núcleo de Agronegócio da ESPM.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions