A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

06/06/2015 11:26

Redução da maioridade penal. Necessidade de maior debate

Por Francisco das C. Lima Filho (*)

De repente, em meio a várias crises que o pais enfrenta, nem sempre a competência necessária, "se tirou da cartola", uma Proposta de Emenda Constitucional - PEC que pretende reduzir de dezoito para dezesseis anos a maioridade penal, como se isso fosse suficiente para prevenir a delinquência juvenil.

A referida PEC foi apresentada em agosto de 1993 tendo ficado em estado de sono profundo por mais de vinte e um anos sem que ninguém dela se lembrasse.

De repente, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados a desengaveta iniciando as discussões, após várias tentativas de adiamento por parlamentares contrários ao texto, que por sinal são minoria naquela Comissão.

O Presidente da Câmara dos Deputados afirmou que a PEC deve ser apreciada ainda no mês junho e isso tem causado acaloradas discussões entre aqueles que se colocam favoráveis e contra a Proposta, o que é positivo, pois é desse debate e dessas discussões, que fazem parte e são tão importantes ao processo democrático, que poderá ser construída uma solução para a questão da violência e delinquência juvenil.

Entretanto, a par de um possível vicio de inconstitucionalidade, na medida em que, pelo menos em tese, pode atentar contra a garantia constante do art. 60, § 4o, inciso IV da Carta de 1988, não parece que a prevenção e a diminuição da violência seja resolvida com mero agravamento de penas como equivocamente pensam alguns, ou como agora se pretende, com redução da maioridade penal.

De fato, e no caso específico da criminalidade juvenil, devemos analisar e combater suas causas que, a toda às luzes encontram-se nas precárias condições econômicas e sociais que uma imensa parte dos jovens vivem no Brasil, sem escola, assistência médica, saneamento básico, orientação e assistência familiar e tantas outras carências que os levam ingressar no mundo da deliquência.

Certamente não é a mera redução da menoridade penal o remédio para corrigir esses jovens que poderiam está na escola, especialmente em cursos profissionalizantes se preparando para ingresso no mercado de trabalho e com isso se auto-sustentarem e auxiliar suas famílias, quase sempre em estado de pobreza e mesmo de miséria.

Não se pode achar, por questões ideológicas ou de preconceito ou mesmo de paixão, ódio ou preconceito contra a pobreza, que reduzindo-se a maioridade penal vamos prevenir ou diminuir a violência juvenil, pois de fato não vamos.

Com o devido respeito, a PEC não enfrenta as causas da violência, mas apenas pretende encarcerar os jovens. Porém, não é assim que vamos resolver esse grave problema, mas educando esses menores preparando-os para inserção na sociedade como cidadãos.

É claro, por outro lado, que uma alteração constitucional como a que se pretende não pode ser feita em clima de emoção e ódio como vive a sociedade brasileira, mas com uma ampla discussão em que todos os interessados sejam ouvidos. Toda decisão tomada em clima de emoção ou baseada em sentimentos ideológicos costuma produzir efeitos desastrosos. A vida nos mostra isso a todo instante.

Desse modo, recomendável e mesmo prudente mais discussão e debate sobre o tema, que passa necessariamente pelas condições desumanas do sistema carcerário, a educação, o limite de idade do menor para o trabalho e tantas outras, para que não se venha simplesmente punir aqueles que por hipossufiência financeira, educacional, familiar e social foram compelidos a entrar para o mundo da criminalidade. O mero encarceramento certamente os condenará, para sempre, a não sair do mundo da criminalidade, e não cremos que seja este o objetivo da PEC em discussão.

É preciso serenidade e maior discussão sobre um tema que certamente necessita ser melhor debatido e não pode ser equacionado com base em visões subjetivas, paixões, ódio, preconceito ou por motivos ideológicos.
É isso que se espera venha acontecer, se não mais uma vez iremos cometer um grande equivoco como tantos que temos cometido.

(*) Francisco das C. Lima Filho é desembargador do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 24a Região.

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


Esses políticos foram eleitos para representarem o povo, e essa PEC já devia ter sido aprovada a muito tempo, não tem que debater nada, mais de 80% da população é a favor da redução da maioridade penal, esse argumento de que isso não reduzirá a criminalidade de menores infratores é pura demagogia, não tem um dia que você abra um jornal ou assista um telejornal que não tenha manchetes relatando crimes de menores, de impunidade já chega a dos nosso políticos corruptos, os políticos são eleitos para satisfazer os anseios do povo, e no momento o que o povo mais anseia além de combater a corrupção é a redução da maioridade penal, se duvidam, façam um plebiscito.
 
juvenil marques do vale em 06/06/2015 12:30:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions