A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 18 de Novembro de 2017

23/03/2011 06:11

Reeleição é finda!

Por Lizete Andreis Sebben (*)

A Comissão de Reforma Política do Senado, dentre vários temas em debate, aprovou a proposição de extinção da possibilidade de reeleição, na qual os representantes dos executivos federal, estaduais e municipais - o Presidente da República, os Governadores e os Prefeitos - ficam impedidos de concorrerem ao mesmo cargo em um mandato consecutivo, cujo prazo restou dilatado para 5 (cinco) anos. O tema proposto deverá constar do anteprojeto de reforma política e, assim, será submetido à apreciação das Casas Legislativas e da Presidência da República.

O instituto da reeleição previsto no artigo 14, § 5º, da CF foi introduzido na legislação pátria com a Emenda Constitucional nº 16 de 1997 e passou a vigorar em 1998, autorizando o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos ou que os tiver sucedido ou substituído no curso dos mandatos serem reeleitos para um único período subsequente, sem haver necessidade prévia de afastamento de seus cargos. De sua vez, se esses mesmos agentes, também por disposição constitucional (art. 14, § 6º, CF), forem concorrer para outros cargos, devem renunciar aos respectivos mandatos até seis meses antes do pleito.

A própria Constituição Federal, no artigo 14, § 9º, prevê a proibição de abuso de poder político nas eleições, como forma de proteger a normalidade e a legitimidade dos pleitos contra atos abusivos praticados no exercício da função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta.

A Lei Complementar 64/90, por autorização constitucional, de igual forma, objetivando proteger a probidade administrativa, a moralidade no exercício do mandato e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso em face de exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta, estabeleceu casos de inelegibilidade e prazos de cessação.

O objetivo maior dessas regras é manter o necessário equilíbrio eleitoral, de forma que o sufrágio universal seja exercido de forma livre e soberano e as eleições transcorram de forma normal e legítima.

A ação dos agentes públicos, enquanto representantes do povo, deve focar o interesse público, obedecendo aos princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (art. 37, CF).

Por sua vez, a Lei 9.504/97 (Lei das Eleições) prevê, em seu artigo 73, as condutas vedadas aos agentes públicos, servidores ou não, em campanhas, as quais tendem a afetar a igualdade de oportunidades entre os candidatos ao pleito.

Assim, descabe-lhes ceder ou usar bens móveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta, usar materiais ou serviços custeados pelos Governos ou Casas Legislativas e, ainda, certos atos de gestão, como contratar e demitir servidores, fazer propaganda institucional, criar programas sociais, dentre outros, sob pena de caracterizar conduta reprimida, cuja irregularidade poderá ser punida, inclusive, com a perda do registro ou diploma.

Aprovada a proposição com a extinção do instituto da reeleição, o que se espera, vários e diversos questionamentos deixarão de existir e, a evidência, todos - cidadãos, agentes políticos, servidores, operadores do direito e toda a Justiça Eleitoral - serão beneficiados.

(*) Lizete Andreis Sebben é advogada e ex-juiza do TRE/RS.

lizasebben@terra.com.br

"Bruxaria e Ciência"
Anteriormente ao período conhecido como Renascimento na Europa, particularmente antes das contribuições de pensadores como Copérnico (1473-1543), Gal...
O artista plástico Frans Krajcberg
O artista plástico Frans Krajcberg , falecido no Rio de Janeiro, em 15/11/2017, é uma perda para o mundo das artes visuais e para todos aqueles que d...
O mundo virtual é tão perigoso quanto o real
Brasileiro adora novidade, estamos entre os países que adotam mais rapidamente novas tendências, principalmente tecnológicas. Se por algum tempo houv...
É a hora do trabalho
O último sábado, dia 11 de novembro, foi histórico para o Brasil. Começou a vigorar em todo território nacional a reforma trabalhista, o que agora ab...


Pôr um lado é ruím, pois os que trabalham e constróem obras e serviços em benefício do povo terão pouco tempo, por outro lado é bom, pois os que roubão, não terão tanto tempo para pôr em prática sua conduta nefasta.
 
Antonio Mazeica em 23/03/2011 10:23:45
Reeleição deveria ser proibida em todos os níveis,de cabo a rabo. Assim,quem sabe,esses vereadores vagais trabalhariam mais.Para deixar o nome inesquecível durante quatro anos.
 
Ronaldo Ancél Alves em 23/03/2011 08:30:38
A comissão de reforma política do senado esta de parabéns.o que o povo brasileira precisa é haja mais mudanças,tais como ,na parte que diz que o político não pode se candidatar ao mesmo cargo,creio que o correto seria,não se candidatar por pelo menos oito anos,esse tempo creio que seria mais que suficiente, para se no caso o referido se envolveu em desvio de verbas ou outro desvio de conduta qualquer, possa ser processado e preso,coisa que não acontece agora devido à imunidade parlamentar(deveria acabar).Já houve um avanço.
 
nilson franco de oliveira em 23/03/2011 07:58:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions