A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 16 de Outubro de 2018

12/09/2018 16:11

Respeite a distância segura

Por Arrison Szesz (*)

Já falamos muitas vezes em nossas campanhas de segurança de trânsito sobre a importância de se manter distância segura do veículo que segue à frente. A repetição pode ser cansativa, mas é essencial. Alguns conceitos básicos de direção segura dependem da repetição para que se consolidem entre os motoristas.

A colisão traseira é a causa mais comum de acidentes m na BR-163/MS. Ela corresponde a uma média de 16% dos acidentes na rodovia. Em boa parte dos casos, esses acidentes poderiam ter sido evitados se os motoristas respeitassem o bom senso, ou seja, manter distância segura do veículo que segue à frente.

Os casos mais comuns na estrada, entretanto, envolvem um péssimo hábito de motoristas brasileiros, em especial dos motoristas desta região: trafegarem “colados” nos veículos que seguem à frente.

Não há necessidade nenhuma em agir dessa forma. Mas os “apressadinhos” usam dessa tática para forçar o veículo da frente a andar mais rápido, ou a dar passagem saindo para o acostamento.

Não são incomuns os casos de motoristas desse tipo que piscam farol, buzinam e gesticulam para que o condutor do veículo da frente ande mais rápido (ou dê passagem). Normalmente, os veículos que parecem estar trafegando a velocidades menores estão, na verdade, respeitando o limite para o trecho.

A alternativa dos mais ousados (e irresponsáveis), é ultrapassar em locais de faixa contínua, curvas, pontes e viadutos. Ou ultrapassam pelo acostamento, ameaçando pedestres, ciclistas e motociclistas.

Na BR-163/MS também é comum a cena do motorista “apressadinho” que não aceita que o condutor da frente mantenha distância segura do veículo seguinte. E ultrapassa, provocando uma situação de insegurança.

E a culpa fica para quem? Fica para a rodovia. A rodovia, por si só, não provoca acidentes. O que provoca acidentes na maioria dos casos é o comportamento irresponsável dos motoristas.

Quando se fala em respeitar distância segura do veículo que segue à frente significa aceitar bom senso. Imprevistos podem acontecer. A distância segura do veículo que segue à frente é necessária para que haja tempo para agir no caso desses imprevistos.

Mas como calcular a tal distância segura? É simples. Identifique um ponto fixo na estrada. Espere o veículo que segue à frente passar por ele e conte: trinta e um, trinta e dois e trinta e três. É o tempo para que seu veículo alcance o objeto fixo. Isso equivale a três segundos, mais ou menos. Essa é a distância necessária.

Precisa de tanto espaço assim? Precisa sim. E é fácil calcular. O tempo médio de reação de um motorista a um imprevisto é de cerca de 1,5 segundo. Se o veículo estiver trafegando a 90 km/h, ele percorrerá 38 metros até que o motorista reaja, acionando os freios.

Depois disso, o veículo deve percorrer mais 52 metros, aproximadamente, considerando o atrito dos pneus e a redução gradativa da velocidade. Assim, serão necessários 90 metros até o veículo parar completamente desde o momento da identificação do problema na pista seca, já com a pista molhada esta distância será de 104 metros.

Atue para que o trânsito seja mais seguro. Respeite a distância do veículo que segue à frente.

(*)Arrison Szesz é formado em Direito e é analista de planejamento da CCR MSVia

Nobel sinaliza sobre fragilidade da economia frente às variáveis ambientais
Dois americanos foram os vencedores do Prêmio Nobel de Economia este ano. Ambos escolhidos por seus estudos estarem relacionados com interações entre...
Riscos fazem parte da evolução
Num mundo globalizado como o que vivemos, onde as informações surgem a cada instante e é possível realizar compartilhamentos de conteúdos e ideias, i...
Entenda como o marketing pode impulsionar o agronegócio brasileiro
O Brasil sabe o que é marketing e consegue identificar o que não presta neste meio, como a famosa figura do marqueteiro político. No entanto, nosso p...
O cúmulo da captura da Agência Nacional de Saúde Suplementar
É notória a influência das empresas de planos de saúde na indicação de diretores para a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A interferência ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions