A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

29/12/2012 10:29

Rodas da produtividade

Bruno Peron (*)

Enquanto um número de empresários e gestores públicos apregoa que sem crescimento econômico o Brasil não vai para frente, sustento que o país não administra bem o cenário de crescimento nem o faria melhor se crescesse mais. Sucede um enguiçamento das rodas da produtividade; assim, está mais do que explícito que as concessões às famílias de renda baixa vão pouco além de salários estagnados e inflação no preço dos alimentos e dos serviços.

A presidente Dilma Rousseff negocia acordos comerciais e educativos com o governo russo, por um lado, na tentativa de reforçar o conceito de “país emergente” no âmbito dos BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) e, por outro, no esforço mais do que necessário de sair da área de influência EUAna, um país a mais cujos super-heróis estão em tudo, todas as pessoas e todos os lugares (até na Lua). Nem o melhor dos exorcistas consegue desEUAnizar o mundo para o bem da humanidade.

Dentro das negociações entre Dilma Rousseff e a dupla Putin/Medvedev, aparece o desejo de que a carne bovina brasileira volte a entrar no mercado russo e se estabeleça algum programa de incentivo de universidades da Rússia ao intercâmbio de estudantes brasileiros através do Ciência sem Fronteiras. É notório que uma das finalidades deste programa de financiamento de estudos no exterior é aumentar a eficiência científica e tecnológica do Brasil para que o país compita em condições melhores no mundo e a fonte de renda passe dos braços para a cabeça.

A economia brasileira tem altos e baixos. A última ocorrência foi a desvalorização do Real frente ao Dólar estadunidense, embora esta oscilação cambial favoreça as exportações do Brasil. O momento, porém, é de crise da produtividade porque os recursos naturais tendem a esgotar-se, uma minoria de produtores seguem práticas sustentáveis e cada vez menos pessoas acreditam que crescimento gera benefícios. Quanto maior a sustentabilidade, maior o ritmo de devastação porque a empresa que diz sustentar sua exploração só aprendeu a justificar o que faz com o recurso a outras empresas voltadas a papéis de certificação ambiental.

Um dos maus exemplos é a forma cruel como se têm extraído barbatanas de tubarão no litoral do Rio Grande do Norte. Cortam-se as barbatanas dos animais vivos e lançam-nos de volta ao mar para que agonizem no fundo sem capacidade de nadar. Este ritual produtivo sacia um setor comercial de sopas exóticas no mercado asiático. Outro é a perseguição, expulsão e aniquilação de nativos/indígenas de suas terras por fazendeiros que chegam para destruir tudo em nome da economia pecuária e agroexportadora no Mato Grosso.

O padrão brasileiro de crescimento, ocupação dos solos e das águas, e de extração de recursos naturais é raramente digno de aplausos. Seria benéfico, por exemplo, se a produção de alimentos atendesse primeiramente à demanda interna para, se restar, seguir a outros países. Acontece o inverso: primeiro se exporta; se sobrar, vai para consumo interno. A reversão deste quadro poderá ocorrer dando-se mais oportunidade aos pequenos produtores e evitando-se os monopólios.

Nosso sistema eleitoral vicioso, porém, reproduz-se com financiamento privado que mantém os fantoches públicos. Que político falaria contra os monopólios nos negócios, as máfias de todo tipo, o crescimento que mantém a maioria na ilusão do consumo e outros retrocessos que reproduzem práticas coloniais no país onde a modernidade se arranha em feitos e se idealiza em utopias?

O Brasil está numa fase em que é hora de despertar após o oitavo sono, mas esta reação dificilmente virá de outros grupos que os próprios candidatos a cidadãos. Estes, para deixar a condição de meia-cidadania, deverão cair na realidade onde não dá mais para acreditar que o país seja a “bola da vez” se, em suas cidades, dirigem-se carros de última geração em ruas esburacadas, falta energia elétrica quando chove e a insegurança prevalece (com furtos em domicílio e em comércios varejistas, explosão de caixas eletrônicos e ônibus incendiados).

A lorota do PIBão há muitos anos tem reunido cenas para um belo filme ficcional, a menos que comecemos por assumir as falhas de como movemos as rodas deste rico país e prefiramos um documentário revelador das potencialidades nacionais.

(*) Bruno Peron é mestre em Estudos Latino-americanos por Filos/ UNAM (Universidad Nacional Autónoma de México)

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions