A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

22/04/2014 08:48

Segurança alimentar, geração de renda e recuperação ambiental em aldeias

Por Milton Parron Padovan (*)

Atualmente, o que se observa nas aldeias na região da Grande Dourados, em Mato Grosso do Sul, é que há a predominância de monocultivos estabelecidos pelos agricultores indígenas, para subsistência das famílias e também para a geração de renda.

A monocultura expõe os agricultores a riscos climáticos (seca, excesso de chuva, frio, calor excessivo, entre outros) que frequentemente provocam perdas totais de lavouras, o que contribui para a insegurança alimentar e inexistência de renda. Além disso, a monocultura, associada a manejos inadequados, tendem a degradar os solos e aumentar a ocorrência de “pragas e doenças” nas lavouras.

É necessário repensar o sistema de produção praticado por esses agricultores, que é baseado, em sua maioria, por culturas de ciclos curtos (anuais), como é o caso do milho, feijões e mandioca. Mas é fundamental promover mudanças que também fortaleçam a sua cultura, ampliando os cultivos de espécies vegetais que tradicionalmente fazem parte da sua alimentação, bem como para fins medicinais, condimentares, artesanatos, entre outros.

A Embrapa indica caminhos que proporcionam, além da segurança alimentar, a geração de renda e a recuperação ambiental nas aldeias indígenas. Em palestra realizada na terça-feira, 15 de abril, durante o Encontro dos Povos Indígenas de Dourados, foi abordado o tema "Arranjos Produtivos em Bases Agroecológicas", indicando caminhos e práticas para mudar a matriz de produção nas aldeias.

É necessário diversificar os cultivos agrícolas e de criação de animais nas aldeias. Nesse sentido, a consorciação de cultivos é uma estratégia de grande importância para ampliar as possibilidades na produção de alimentos e geração de renda ao longo do ano. Além disso, contribui para a melhoria do solo e equilíbrio biológico nas áreas de produção, minimizando e até dispensando o uso de agroquímicos.

Como parte desse processo de diversificação, conforme os estudos dos pesquisadores da Embrapa Agropecuária Oeste - Unidade de Pesquisa da Embrapa, em Dourados, MS -, estão os sistemas agroflorestais biodiversos, também chamados de sistemas agroflorestais em bases agroecológicas.

Esses sistemas são compostos por arranjos de plantas de interesse agrícola como mandioca, milho, feijão comum, feijão-caupi (feijão-catador ou de corda), abóbora, banana, abacaxi, entre outras culturas, que fazem parte da cultura alimentar dos indígenas, com espécies de árvores (nativas e exóticas) para diferentes finalidades, como produção de alimentos, medicinais, óleos, fibras, madeira, melhoria do solo e fortalecimento cultural das famílias envolvidas.

Ou seja, os sistemas agroflorestais diversificados têm as características desejáveis para garantir a segurança alimentar e nutricional das famílias indígenas, gerar renda, promover a recuperação ambiental e fortalecer a cultura indígena.

O que a Embrapa Agropecuária Oeste vem fazendo nesse sentido? Há resultados de pesquisas que podem subsidiar a orientação para a construção de arranjos produtivos em bases agroecológicas. Cursos, dias de campo, visitas interativas e palestras foram realizados envolvendo agricultores e agricultoras indígenas, a partir de demandas apresentadas.

A Embrapa entende que é necessário a ampliação das ações em benefício das comunidades e pode contribuir com conhecimentos e tecnologias apropriadas, que se somam aos conhecimentos tradicionais dessas comunidades e, juntos, são capazes de compor arranjos produtivos viáveis para a sustentabilidade desses povos.

A Embrapa estará sempre aberta para a construção de agendas em conjunto com as famílias indígenas, que venham ao encontro para atender às demandas reais desse público.

É importante ressaltar que esse processo de diversificação na produção gera maior necessidade de fortalecimento da organização e união entre as famílias indígenas, não só para a produção, mas na agregação de valor aos produtos produzidos e na comercialização.

(*) Milton Parron Padovan, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions