A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Março de 2017

21/06/2015 14:00

Sem glúten e lactose: as novas tendências na alimentação

Por Filomena Benfatti (*)

Glúten e lactose. Há algum tempo, esses dois ingredientes se popularizaram como os grandes vilões da saúde e da boa forma. Em busca da famosa nutrição funcional, milhares de pessoas aboliram esses nutrientes do cardápio e este mercado tem crescido cada vez mais.

Embora muitos associem essa atitude à moda ou a dietas malucas, uma pesquisa realizada pela Dunnhumby, empresa de pesquisa do grupo varejista britânico Tesco, revela que o Brasil se mostra bem mais preocupado com a alimentação que a média global. Aproximadamente 79% dos brasileiros disseram que saúde e nutrição são prioridade em sua vida. Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos esse número não passa de 55%.

Assim, para quem se preocupa em manter uma alimentação equilibrada e funcional, a retirada do glúten e da lactose do cardápio pode provocar grandes benefícios, principalmente se houver uma sensibilidade ou intolerância ao consumo destes nutrientes.

Com estes hábitos, é perceptível a diminuição dos riscos para doenças autoimunes e associadas à inflamação, como as cardiovasculares e a melhoria do funcionamento do metabolismo em geral, com a redução ou eliminação de sintomas incômodos, como enxaqueca, prisão de ventre, queimação no estômago, gases e inchaço.

Para atender uma demanda de público cada vez maior e mais exigente, o mercado tem buscado se atualizar e investir em produtos mais saborosos e saudáveis. Nos últimos cinco anos, enquanto as vendas dos produtos tradicionais cresceram 67%, os produtos considerados saudáveis aumentaram 98% no mesmo período, segundo a consultoria Euromonitor.

O mais interessante nessa expansão é que produtos saudáveis deixaram de ser sinônimo de ruins ou pouco saborosos. A indústria tem se reinventado a cada ano e lançando produtos antes impensáveis, como sorvetes ou outros doces sem glúten, açúcar ou lactose. E o mais importante: sem abrir mão do sabor.

A tendência demonstra a possibilidade gerada a todos o segmentos alimentícios de se atualizarem e proporem soluções mais saudáveis e funcionais aos consumidores. Afinal, quem não gosta de comer bem sem sentir qualquer tipo de culpa ou dor na consciência? Está lançada uma nova era para esse mercado.

(*) Filomena Benfatti é formada em engenharia de alimentos e vice-presidente de inovação da Blend Coberturas.

O custo da violência no trânsito brasileiro
A imprudência no trânsito mata cerca de 45 mil pessoas por ano no Brasil e deixa aproximadamente 600 mil com sequelas permanentes, conforme aponta o ...
A carne é fraca
A operação deflagrada pela Polícia Federal conhecida como “carne fraca”, trouxe à tona, mais uma vez, escândalos que abalam a confiança nos produtos ...
A diferença entre a vida e a morte na BR-163 em MS
Em casos de acidente com trauma, a diferença entre a vida e a morte pode estar na rapidez do atendimento às vítimas e na eficácia dos procedimentos d...
A carne que trabalha
A deflagração da chamada “Operação Carne Fraca”, no último fim de semana, tornou conhecidas do público em geral práticas mercadológicas adotadas pelo...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions