A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 19 de Janeiro de 2020

04/12/2019 10:48

Só pode ter sido Deus quem mandou Jesus redescobrir o futebol brasileiro

Por Paulo Nonato de Souza (*)

Se o navegador Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil, o também português Jorge Jesus redescobriu o futebol brasileiro. Com Jesus de treinador e João de Deus como auxiliar (sim, João de Deus, este é o nome do auxiliar-técnico), o Flamengo está jogando exatamente o que jogava até as décadas de 1970 e 1980. Não só o Flamengo, mas todo o futebol brasileiro naquele passado de glórias.

Era uma época em que os nossos clubes excursionavam pela Europa e encantavam o mundo. A Seleção Brasileira entrava em campo e a dúvida era de quanto venceria, porque a vitória era certa. A Seleção era o espelho dos nossos clubes, formada em sua grande maioria por jogadores verdadeiramente brasileiros, não tinha a supremacia dos “europeus” de hoje.

Em 1998, com a criação da Lei do Passe Livre, mais conhecida como Lei Pelé, os empresários passaram a mandar nos clubes ao gerir a vida pessoal e a carreira dos jogadores, e de impulso na decadência técnica do futebol brasileiro, que já era iminente em meio a uma estrutura podre e corrupta da CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

O futebol na Europa evoluiu, dentro e fora de campo, e duas décadas depois da aprovação da Lei Pelé e do domínio dos empresários, os clubes brasileiros se tornaram escolinhas, uma espécie de categoria de base dos clubes europeus, que souberam fazer do nosso passado de glórias o seu presente.

Antes de Jorge, o Jesus, as novas gerações de brasileiros sequer imaginavam o quanto o futebol brasileiro já foi competitivo e belo. Agora podem não só imaginar, mas constatar e admirar o verdadeiro futebol brasileiro. Basta ver o Flamengo jogar. Ao conseguir fazer com que os jogadores do Flamengo joguem como os brasileiros jogavam, Jorge, o Jesus, mostra que nem tudo está perdido, e que há esperança.

O brasileiro é antropófago de natureza, está sempre querendo engolir o outro, quando deveríamos aprender a partir dos defeitos e qualidades de cada um e evoluirmos juntos, mas quero acreditar que o exemplo do Flamengo terá seguidores. Afinal, basta jogar como se jogava no Brasil. A receita é nossa.

(*) Paulo Nonato de Souza é jornalista com experiência na área esportiva desde a década de 1970 e já esteve na cobertura de três Copas do Mundo.

Campo Grande News - Lista Vip WhatsApp
Lute por qualidade de vida
Na Expectativa de que esse novo ano será muito melhor e próspero, certamente já traçou metas e objetivos a serem alcançados ao longo desses 12 meses ...
Como organizar as finanças e começar 2020 no azul?
Passada a euforia das festas do final de ano, é a hora de colocar na ponta do lápis todas as dívidas que devem ser acertadas nas próximas semanas. Es...
Lei da liberdade econômica beneficia pequenos empreendedores
Você já teve uma ideia de negócio e, ao descobrir a quantidade de obrigatoriedades que tem de ser cumprida, deixou para depois? Ou você conhece algum...
Muita calma em 2020!
Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos tr...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions