A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

09/07/2013 12:52

Somos médicos, não mágicos

Antonio Carlos Lopes

Se alguma instância de poder oferecer hoje um salário de R$ 100 mil para um médico trabalhar, por exemplo, em uma área remota da Amazônia, quase que certamente ela não irá. Talvez, um entre 100 aceite. Mas este não representa o espírito de uma classe que visa, acima de tudo, o apoio ao próximo, a assistência humanística e olha a profissão sob as vistas do amor ao próximo.

O que quero dizer, em pouquíssimas palavras, é que os médicos brasileiros não somos mercenários, não pautamos nossas ações no mercantilismo, na busca de dinheiro fácil. Nosso foco é outro: é a saúde, a qualidade de vida, é trabalhar contra as mortes evitáveis. Isso porque uma só morte evitável não merece perdão, seja quem for o responsável.

Aí está parte da explicação para o fato de o governo não conseguir levar médicos para as regiões distantes e periferias das grandes cidades.

Contudo, o remédio para esse mal não passa pela importação de médicos formados no exterior sem qualificação comprovada, sem que os mesmos se submetam à revalidação do diploma.

Aliás, a revalidação de diplomas precisa ser aprimorada. Para aprovar a entrada de um profissional de medicina graduado fora, seja ele estrangeiro ou brasileiro, não se pode apenas auferir a técnica. É necessário avaliar o perfil psicológico, a formação ética e moral. Uma série de parâmetros tem de ser analisada porque é alguém de fora do Brasil, não é da terra, não possui nossa cultura, o jeitinho brasileiro em seu lado bom.

Essas diferenças têm forte reflexo na visão humanística, que é a relação médico-paciente no exercício da medicina. Culturalmente, os valores são bem distintos. No que se refere à parte técnica, é preciso uma avaliação obrigatória, como já é com todo mundo.

O centro da questão da interiorização não pode ser distorcido; é a infraestrutura, porque se não há infraestrutura para um brasileiro, não existe também para o profissional de fora. O que ele é? Médico ou mágico?

Não dá para fazer medicina sem ter infraestrutura, sem ter enfermagem, sem ter cirurgião-dentista, sem ter outros profissionais da área da saúde, sem ter assistente social. O dinheiro não compra médico, ressalto mais uma vez.

O médico não é mercadoria para ser comprado por um punhado de reais. Se o fosse, também não veria a cor do dinheiro, pois boa parte das prefeituras, nem honra com os salários que promete e, não raro, nem paga m só centavo. É o chamado calote.

Médico que se vende não e médico. Isso é falta de ética, vai contra o juramento de Hipócrates e os princípios da formação humanística. O dinheiro da medicina tem que ser resultado e não o objetivo do trabalho. Essa é uma parte puramente materialista da medicina, que não condiz com os nossos princípios.

Portanto, só quando nossas autoridades aprenderem o B e A = BA, estaremos próximo da cura. Ela vira por uma política de estado para a saúde, e não por meio de disputas partidárias que mudam nossas políticas a cada alteração de humor.

(*) Antonio Carlos Lopes é presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



A classe médica merece respeito e compreensão por parte dos demais cidadãos. O conflito não envolve questões financeiras, mas revolta em torno da medida eleitoreira tomada pelo Governo. É muito fácil julgar o profissional da saúde, mas ninguém leva em consideração os quase 10 anos de árduos estudos enfrentados pelo caminho, as madrugadas sem dormir e o trabalho realizado muitas vezes com poucos recursos. Apenas a contratação de médicos não basta, é necessário montar uma equipe competente e uma estrutura razoável para prestar um atendimento de qualidade à população. As últimas mudanças anunciadas pelo Governo são vagas e repletas de lacunas, favorecendo a proliferação de farsantes e colocando em risco a própria segurança dos pacientes.
 
Renata Rosa em 09/07/2013 18:40:44
A Será que estes que aqui comentaram leram o artigo? Pois se o fizeram, faltaram as aulas de interpretação de texto. Não somos mercenários, não trabalhamos só por dinheiro e sim para ajudar o próximo. Como poderemos ajudar se não tivermos estrutura e investimentos? Não adianta oferecer 10 mil reais ou 20 ou 100 mil. Invistam esse e todo o recurso desviado, nas unidades de saúde e em uma equipe completa! É como diz o ditado: "quer borboletas em seu jardim, plante flores e elas virão".
 
Rui Carlos Ferreira em 09/07/2013 18:20:04
Após ver em um noticiário matinal, o presidente do sindicato dos médicos aqui do MS reinvidicando salários iniciais de 15 a 20 mil reais para que os médicos recém formados possam ir trabalhar no interior, como que o Sr. Antônio Carlos Lopes acha que a sociedade passa a ver os médicos?
 
Kaio Gleizer em 09/07/2013 16:06:19
Existe muito cooperativismo na medicina, tudo para manter altos salários e baixa concorrência, o Governo investe altíssimo nos filhos da classe burguesa para não ter um retorno digno através do um serviço público obrigatório. Isso tem que acabar!
 
Carlos Magno em 09/07/2013 13:39:01
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions