A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 25 de Maio de 2017

16/02/2011 11:05

Somos uma Nação de perversos?

Por Valfrido M. Chaves (*)

O corpo de mais uma jovem é encontrado, desta vez em SP, com sinais de violência sexual. Tais crimes em que a vítima, além de humilhada no mais alto grau, vê a sua morte de frente, me afetam enormemente, pois sei bem o que elas viveram.

Quando preso, em 68, por circunstâncias próprias do momento, imaginei e vivenciei o meu fim. É o pavor dos pavores, algo absoluto, inesquecível. Dói-me saber que tantas pessoas vítimas de vários tipos de crimes passam por isso e... têm sua vida interrompida, deixando uma herança eterna de lamento e dor entre os seus entes queridos. Além da falta, imagino que o que mais faz sofrer é pensar a dor, a impotência, o desespero do ente querido. É um momento em que o mal reina absoluto.

E a Psicologia nos diz, leitor, que os autores de tais crimes os praticam, justamente para ver o desespero e a dor nos olhos de suas vítimas, sobretudo quando ela pressente o seu fim. Aí está o seu gozo perverso, que pede, sempre, repetição. E, daí, sua denominação como “serial killer”. Triste é ainda saber que a perversão, em seus diversos graus, não se inventa, tal como na pedofilia.

Tudo tem sua história, sua herança familiar e, quem sabe, genética. Mas a reflexão que desejo compartilhar com o leitor não seria investigativa sobre a gênese da maldade instalada em algumas almas, tendo ainda como sua marca, o “dom da militância”, da reprodução. Geralmente o perverso de hoje foi uma vítima no passado e age, pois, como um “zumbi” a repassar sua herança maldita.

O que desejo é, sabendo-se que as piores, mais nefastas e mortíferas perversões são irreversíveis, lamentar que nossas leis não consigam manter tais militantes da maldade afastados da sociedade. Ou seja, de mim, de Você, leitor, de nossos filhos, de nosso vizinho. Presos, no máximo em 7 anos estarão na rua. Conforme a perversão, são lideres, narco-traficantes que, nos presídios, têm encontrado condições ótimas de “trabalho”.

Tais fenômenos, seja o retorno de “príncipes da maldade” ao convívio social ou participação no tráfico de drogas com todos os crimes a ele associados, sabida e escandalosamente são facilitados por lei, mais exatamente pela Lei das Execuções Criminais. Estas foram estabelecidas, construídas como se fora para proteger presos políticos em um Estado ditatorial.

Portanto, seria uma herança maldita da ditadura? Mas por quanto tempo ainda teremos que sofrer as conseqüências dessa aberração, dessa perversão legal? Quando nossos legisladores, nossa prestigiosa OAB descobrirá essa maldade que a tantos faz sofrer?

O que terá que acontecer, em termos de desgraça coletiva, para a situação ser encarada por quem possa modificá-la? Ou seríamos nós um povo perverso, masoquista, que goza na posição de vítima e, portanto, sem recuperação?

Qualquer que seja a resposta, tomaria a liberdade de lembrar aos que acreditam num Ser Superior para que, em suas preces, intercedam por aqueles que sofrem hoje com tais perdas brutais, para que possam receber um bálsamo que minore suas dores.

Até por não sabermos quem de nós de tal bálsamo poderá precisar, no amanhã incerto acalentado por nossas leis frageis e perversas. E pela acomodação de tantos.

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista.

O futuro da educação começa agora
Você, com certeza, já se pegou perguntando, em tom de curiosidade, para onde as mudanças desse mundo vão nos levar e qual será o destino das próximas...
Capitalismo de compadrio e corrupção sistêmica
Reza o bom senso que o Estado não deve tratar empresas nem bondosa nem cruelmente demais. Naquilo que tem de bom, a sabedoria proverbial vislumbra os...
Universidades inovadoras também devem inovar a si mesmas
A universidade pública demanda por uma revisão de valores com o objetivo de atender aos novos desafios relacionados ao seu papel. A estrutura lenta, ...
Arroz e trigo: relações de valores agrícolas e industriais
Aumentar a oferta de dois alimentos básicos da população brasileira – arroz e trigo – de forma economicamente sustentável é um sério desafio. Os dois...



Parabéns pelo artigo, infelizmente se julgam esses "monstros" como se fossem um ladrão de galinha, os "direitos humanos" no Brasil estão retorcidos e na prática o mal reina porque além de do fraco aparato e desconsideração com o cidadão de bem, o sistema em si ainda conta com os mais perversos bandidos que se corrompem em troca de favores e dinheiro. O que me consola é realmente acreditar em Deus, e só Nele confio, pois as coisas boas que aprendi e tive na minha vida sei que foi pela minha fé e por ela vou aprendendo a cada dia, procurando vencer o mal com o bem, na medida do possível dando exemplo.
 
Marcelo de Oliveira Camargo em 16/02/2011 11:41:02
É incrivel dizer isto seu pudesse diria diferente, mas não posso, estes vermes da sociedade que fazem todo mal, incontralavél e sempre repetindo suas maldades, digo ainda que se um policial for prender um marginal deste e ele reagir e tomar um tiro por exemplo, com certeza, vem muita gente de ONGS, direitoS HUMANOS etc. Para ferrar o policial e até mesmo se possivel afastar o mesmo de suas funções, é isto que sentimos, enquanto isto a sociedade agoniza, acorda acorda AUTORIDADES vamos dar o que é de Cezar á Cezar, e a Deus o que é de Deus, e para os bandidos o que é de bandidos, cadeia e chumbo.
 
jose eudes em 16/02/2011 03:36:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions