A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

25/05/2015 13:10

Temos know-how em aços de alta resistência

Por Jesse Paegle (*)

Existe um gap de mercado entre as carrocerias desenvolvidas no Brasil e no Exterior, embora o País esteja preparado para produzir veículos com as mesmas especificações aplicadas nas nações mais desenvolvidas. Os profissionais responsáveis pelo desenvolvimento de projetos precisam saber que é possível, sim, especificar aços de alta e altíssima resistência para veículos nacionais.

O nível de tecnologia disponível aqui é muito próximo ao de qualquer região, seja na Europa ou nos Estados Unidos. Hoje o Brasil já não faz parte de um grupo de países que precisa importar uma série de componentes e equipamentos, o que tornaria praticamente impossível produzir de forma competitiva com essas soluções de alta tecnologia.

Para exemplificar, há seis anos o aço de maior resistência disponível industrialmente no Brasil chegava a 600 Mega Pascal. Hoje já temos aços de até 1.500 Mega Pascal, que é praticamente o mesmo nível de resistência disponível em qualquer lugar do mundo. Então, não precisamos mais viver da importação de materiais de alta tecnologia para produzir as carrocerias.

Para chegarmos a esse nível, o incremento tecnológico foi muito grande. O mais interessante é que não houve participação exclusiva de um setor industrial, mas o trabalho em conjunto de toda a cadeia produtiva. Os setores de siderurgia, máquinas e equipamentos e autopeças investiram muito em desenvolvimento ao passo que as montadoras atualizaram as suas linhas de produção. Hoje temos uma cadeia produtiva muito mais robusta.

Apesar do momento economicamente ruim, a pesquisa e o desenvolvimento não param. Hoje uma carroceria possui uma média de 8 a 10% de aços de alta resistência embarcados. No próximo grande volume de lançamentos, que deve ocorrer entre 2018 e 2020, o percentual deverá chegar a 25% em função das demandas por redução de peso e melhoria de performance e segurança.

O efeito colateral positivo será a possibilidade que as montadoras terão de usufruir de uma especificação um pouco mais globalizada e reduzir os seus custos de desenvolvimento. Precisamos usar plataformas mais globais e desenvolver soluções que sejam interessantes não só para o nosso mercado a ponto exportarmos para outras regiões, por que não?

Em termos de tecnologia e conhecimento técnico, nós temos a mesma capacidade que qualquer time de engenharia de qualquer lugar do mundo. Basta socializarmos o conhecimento sobre a disponibilidade local para que essas especificações sejam aplicadas de maneira mais natural. Esses e outros assuntos serão discutidos durante o Simpósio SAE BRASIL Car Body 2015, em 10 de junho, no IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas, em São Paulo.

(*) Jesse Paegle é engenheiro e chairperson do Simpósio SAE BRASIL Car Body 2015

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions