A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Agosto de 2019

21/10/2018 10:52

Você ganhou ou perdeu seu voto?

Por Waldevino Basílio (*)

Passado o primeiro turno das eleições, já temos uma visão de como será o novo Congresso Nacional. Conforme o DIAP (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar), houve uma renovação de 52% na Câmara e 85% no Senado. No entanto esse Congresso “será mais liberal na economia, mais conservador nos costumes e mais atrasado em relação aos direitos humanos e ao meio ambiente do que o atual. Organizado em torno de bancadas informais — como as evangélicas, a da segurança/bala e a ruralista — será o mais conservador desde a redemocratização”.

Lembrando que os conservadores contra qualquer mudança que não os beneficie diretamente São opositores ferrenhos a qualquer discussão sobre a legalização do aborto, em qualquer fase da concepção, inclusive por estupro ou má formação do feto. São contra as pesquisas ou o uso das células tronco no tratamento de doenças, apenas para citar alguns exemplos.

Já os liberais defendem o Estado Mínimo, a demissão dos servidores públicos, a redução de gastos e a privatização da saúde e da educação. Também, querem o fim dos gastos sociais, tais como o bolsa família.

A bancada do Mato Grosso do Sul, majoritariamente, é conservadora/liberal.

Ainda conforme o DIAP, quanto ao aspecto ideológico, houve um crescimento da direita, com 209 Deputados. As demais correntes de pensamento estão assim dispostas: a centro-direita, com 94 deputados; o centro, com 75, a centro-esquerda, com 60 e a esquerda, com 75. No Senado, a maior presença é das forças de centro, com 29 Senadores, seguido da direita, com 22, da centro-direita, com 13, da esquerda, com 11 e da centro-esquerda com 6. Outros levantamentos apontam um crescimento da direita no Congresso da ordem de 30%, alcançando 301 deputados e 41 Senadores a partir de 2019.

“no capitalismo, os ricos ficam cada vez mais ricos,

e os pobres cada vez mais pobres”

Quanto ao perfil sócioeconômico, haverá a predominância de profissionais liberais, com algo em torno de 2/3. O outro 1/3 será distribuído entre assalariados e atividades de natureza diversa.

Em relação às bancadas informais, a correlação de forças será muito desfavorável aos trabalhadores, à área social, aos direitos humanos e ao meio ambiente. A bancada sindical, por exemplo, teve redução de aproximadamente 20 integrantes. Por outro lado, as bancadas conservadoras vêm fortalecidas. Formadas por evangélicos e ruralistas (que perderam alguns integrantes), tiveram seu aumento garantido com novos integrantes das bancadas da bala e da segurança, sendo que a bancada empresarial manteve-se grande.

Do ponto de vista dos trabalhadores, é preocupante a redução da bancada sindical. Ela tem a função de dar sustentação e fazer a defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores, aposentados e servidores públicos no Congresso Nacional, além de intermediar demandas e mediar conflitos com o governo e/ou empregadores.

Por isso, indagamos: você se lembra em quem votou para Deputado ou Senador? Você votou nele ou nela porque acreditou nas propostas apresentadas. Acreditou que ele(a) irá defender e lutar por seus direitos, por melhores condições de vida, por aumento de emprego ou renda para você, sua família e amigos.

Nos próximos quatro anos, sua obrigação é acompanhar e fiscalizar os trabalhos destes (a) parlamentares. Você tem o direito e o dever de cobrar e exigir que cumpra o que prometeu. Afinal, eles ganharam por caso de seu voto.

Veja se eles irão votar a favor ou contra seus interesses. Veja qual será o voto dele(a) na reforma da Previdência. Se votará para a melhoria da vida dos aposentados, ou para piorar ainda mais.

E nas votações que envolvem dinheiro para creches, escolas, hospitais, etc., qual será a posição de seus Deputados e Senadores?

Mais ainda. E se acaso esse Deputado ou Senador votarem contra seus interesses, ou se envolverem em negociatas e corrupção, você tentará justificá-los? Irá continuar apoiando os atos deles? Acima de tudo, lembre-se em quem você votou e porque votou.

Cabe a você, principalmente por tê-lo ajudado a se eleger, a obrigação e o dever de fiscalizá-lo. Isso é cidadania. Ser cidadão não é apenas na hora do voto, mas principalmente na preservação dos nossos direitos, da liberdade e da cidadania.

Com justa razão, você comemorou porque não perdeu seu voto. Esperamos que durante o mandato, esse Deputado ou Senador, continuem dando motivos de comemoração. Desejo sinceramente que seu voto, não faça você perder seus direitos nem que se transforme em motivo de arrependimento e frustração.

(*) Waldevino Basílio é coordenador geral do SISTA/MS e acadêmico de jornalismo.

LGPD: Seus dados, meus bens!
Quatorze de Agosto de 2020 é a data em que usuários e empresas de internet farão escolhas talvez sem volta. Entra em vigor a Lei 13.709/18. Lei essa ...
Empréstimo consignado para a casa própria dos servidores públicos
Por conta de todas dificuldades econômicas que enfrentamos, há uma necessidade premente de encontrarmos saídas, alternativas para enfrentar essas atu...
Pedagogia da Felicidade
Com manifestações expressivas nas universidades de Harvard e Yale, nos Estados Unidos, um fenômeno que tem chamado atenção de estudiosos e do público...
Contabilidade eficaz é importante para o sucesso da desestatização
O arrojado plano de privatizações, parcerias público-privadas (PPPs) e concessões sinalizado pelo ministério da Economia, considerado um dos pilares ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions