ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Após 3h de demora em perícia de acidente, categoria pede agilidade em concurso

Segundo sindicato, são apenas 111 profissionais habilitados para atender todo o Estado

Por Gabriel Neris | 13/04/2021 10:51
Peritos recolherm informações de acidente ocorrido na avenida Mato Grosso (Foto: Kísie Ainoã)
Peritos recolherm informações de acidente ocorrido na avenida Mato Grosso (Foto: Kísie Ainoã)

A demora da chegada da perícia em acidente com morte no Assentamento Patagônia, em Terenos, expõe a falta de efetivo no quadro de servidores, reclama o Sindicato dos Peritos Criminais Forenses de Mato Grosso do Sul, que pede agilidade em concurso para fortalecer a categoria.

De acordo com Sebastião Renato da Costa Oliveira, a equipe do plantão estava concentrada no acidente de trânsito que vitimou Jackeline da Silva Lima, motociclista que morreu no cruzamento da Avenida Mato Grosso com a Bahia, na região central de Campo Grande, por volta das 6h30. Minutos depois Sueli Terezinha de Oliveira foi atropelada no assentamento.

“A categoria atende oito localidades, como Anhanduí, Sidrolândia, Rochedo, Água Clara, entre outros. As perícias variam de acordo com a dinâmica dos fatos. As vezes conseguimos ligar os vestígios com o que aconteceu. Mas as vezes demora uma hora, duas horas, três horas. Não pode ter pressa. Se não fizer, aquele local já não é o mesmo”, detalha Sebastião Renato.

Situação semelhante ocorreu no dia 4 de fevereiro deste ano, quando houve acidente com duas mortes na Avenida Guaicurus, em Campo Grande, mas a perícia demorou horas para chegar ao local porque estava no anel viário.

Segundo ele, a categoria conta com 111 peritos atualmente em todo o Estado. O sindicato se baseia em estudo da ONU (Organização das Nações Unidas), de um perito para cada 5 mil habitantes, para cobrar maior efetivo. Atualmente, o cálculo é de um perito para cada 20,7 mil sul-mato-grossenses.

“Passaram sete anos da última turma do concurso. De lá para cá perdemos quatro peritos por diversos motivos. As etapas do concurso precisam andar rápido, mas sabemos que concurso é demorado, demora mais de anos”, completa.

O Campo Grande News procurou a Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública), mas não houve retorno até a publicação da reportagem.

No dia 3 de março o governo estadual publicou no Diário Oficial a autorização de abertura de concurso para 250 vagas para perito papiloscopista, agente e perito oficial forense (criminal e médico-legista).

Pelo decreto serão 38 vagas para perito papiloscopista, 100 para agentes, 67 para peritos criminais e 45 para peritos médico-legistas.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário