ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  19    CAMPO GRANDE 30º

Cidades

Avião com Bolsonaro arremete por conta de fumaça no Pantanal

O próprio presidente falou sobre a manobra, depois de conseguir pousar no Mato Grosso

Por Ângela Kempfer | 18/09/2020 11:13
Imagem da aeronave presidencial após finalmente pousar em Sinop (MT). (Foto: Divulgação)
Imagem da aeronave presidencial após finalmente pousar em Sinop (MT). (Foto: Divulgação)

O avião com o presidente Jair Bolsonaro teve de arremeter quando tentava pousar no Mato Grosso, na manhã desta sexta-feira. A fumaça das queimadas no Pantanal prejudica a visibilidade na região e obrigou a manobra.

Na segunda tentativa, o pouso ocorreu. 'Quando nosso avião foi pousar hoje, ele arremeteu. É a segunda vez que isso acontece na minha vida, uma vez foi no Rio de Janeiro, e, obviamente, sempre é normal. No caso, é que a visibilidade não estava muito boa. Para nossa felicidade, na segunda vez conseguimos pousar", disse durante discurso em Sinop (MT).

Bolsonaro visita produtores também em Sorriso no Mato Grosso. Na agenda estam programados o lançamento simbólico do plantio da soja, a entrega de títulos de propriedades rurais e um ato em homenagem a si. Não consta na agenda do presidente visita às regiões afetadas pelos incêndios florestais.

A administração do aeroporto de Sinop confirmou ao Jornal O Globo que o problema foi provocado pelas queimadas na região e disse que vem registrando episódios semelhantes nos últimos dias.

O número de focos de incêndio no Pantanal passa dos 15,7 mil segundo dados do sistema de monitoramento de queimadas do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O total é o maior de todos os tempos e segundo série histórica, registrada desde 1998, supera em 56% o pior ano até agora, 2005, quando foram 10 mil focos no mesmo período.

Em relação ao ano passado, a quantidade de incêndios é 208% maior, já que até 16 de setembro de 2019, o bioma havia sido vítima de 5.109 focos. Segundo o Inpe, as queimadas no Pantanal representam 11,6% do total registrado este mês em todo Brasil, sendo a pior situação na Amazônia, onde há 67.290 focos.



Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário