ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 15º

Cidades

Coroa britânica destaca sustentabilidade da Nova Ferroeste

Ferrovia vai percorrer oito cidades do Mato Grosso do Sul e 41 do Paraná até chegar ao Porto de Paranaguá

Por Liana Feitosa | 24/05/2022 13:07
Nova Ferroeste vai ligar MS ao Paraná. (Foto: Divulgação)
Nova Ferroeste vai ligar MS ao Paraná. (Foto: Divulgação)

Iniciativa da Coroa Britânica publicou análise sobre pontos positivos e sustentáveis do projeto da Nova Ferroeste, ferrovia que vai percorrer oito cidades do Mato Grosso do Sul e 41 do Paraná até chegar ao Porto de Paranaguá, no litoral, num traçado de 1,3 mil quilômetros.

A página Sustainable Markets Initiative (Iniciativa de Mercados Sustentáveis), do Reino Unido, considerou a ligação ferroviária como uma solução capaz de diminuir substancialmente a emissão de gases do efeito estufa e promover o crescimento econômico das regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil.

O canal britânico foi criado por Charles Philip Arthur George, o príncipe Charles, e apresentado no Fórum Econômico Mundial de Davos em 2020 com o objetivo de apresentar soluções sustentáveis ao mercado privado pensando em um futuro mais equilibrado.

De acordo com o texto, as ferrovias são o meio mais eficiente de transportar cargas, conforme o Banco Mundial e, diante da necessidade de escoamento de um dos maiores produtores de commodities do mundo, o Brasil, a Nova Ferroeste "surge como uma solução sustentável".

A página ainda destacou que há carência de infraestrutura para escoar a produção brasileira, sobrecarregando o modal rodoviário com caminhões movidos a óleo diesel. O projeto da ferrovia permitirá redução substancial de acidentes, custos de transporte e desigualdade social. O documento também aponta que o Porto de Paranaguá pode saltar das atuais 45 milhões de toneladas/ano para 100 milhões em 2030.

"A relevância do reconhecimento é enorme. Primeiro, porque nós já tínhamos identificado que a ferrovia vai gerar redução das emissões em detrimento dos caminhões. Então, quando substituímos isso, chamamos de greenbond, que significa que esse projeto tem uma capacidade de gerar mais ou menos US$ 700 milhões de dólares em greenbonds. Isso cria toda uma facilitação sob o ponto de vista de busca de financiamentos internacionais", afirmou Jaime Verruck, titular da Semagro (Secretaria de Estado da Produção, Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico e Agricultura Familiar).

Para Luiz Henrique Fagundes, coordenador do Plano Estadual Ferroviário, a publicação internacional é importante porque a iniciativa conta com 482 apoiadores, entre eles, presidentes de grandes organizações públicas e privadas.

"Estes gestores procuram liderar as empresas tendo a natureza, as pessoas e o planeta como principais valores da cultura organizacional. Essa publicação é mais um reconhecimento de que o nosso projeto é verde. Desde o início da Nova Ferroeste, a relação saudável com o meio ambiente, os povos tradicionais e as pessoas que vivem nas cidades impactadas pela futura estrada de ferro foram determinantes para a formatação final”, disse.

Nos siga no Google Notícias