ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  31    CAMPO GRANDE 20º

Cidades

Cufa vai distribuir chips em favelas de quatro cidades de MS

Iniciativa nacional pretende entregar 4 mil chips no Estado, com direito a ligações e WhatsApp gratuitos

Por Nyelder Rodrigues | 28/09/2020 19:49
Favelas de MS serão beneficiadas pelo projeto da Cufa (Foto: Divulgação)
Favelas de MS serão beneficiadas pelo projeto da Cufa (Foto: Divulgação)

Conectar também é incluir. Em um mundo onde a tecnologia é cada vez mais presente na vida de qualquer cidadão, é perceptível que a exclusão digital é um problema crescente: estar conectado tem lá seus custos, afetando a rotina de todos que estão em situação de vulnerabilidade e ficam desassistidos nesse quesito.

Pensando nisso é que a Cufa (Central Única das Favelas) lançou o projeto Mães da Favela ON, que quer distribuir chips de celular em favelas de todo o país e conectar ao menos 4,5 milhões de moradores dessas comunidades.

Em Mato Grosso do Sul, a ideia é distribuir 4 mil chips em Campo Grande, Corumbá, Dourados e Três Lagoas, sendo que o cadastramento deve ser feito com o líder de cada favela beneficiada - a lista das comunidades ainda não foi divulgada, nem a data das entregas.

Os chips vão permitir acesso a sites pré-definidos, como portais educativos e esportivos, por exemplo, além de disponibilidade 24h de ligações gratuitas, 1Gb de acesso ilimitado e liberação do aplicativo WhatsApp por pelo menos seis meses.

A distribuição acontece em parceria entre a Cufa, TIM, Comunidade Door e Alô Social e visa democratizar o acesso à internet e possibilitar, por meio dela, uma maior proximidade da comunidade com a educação e até com a geração de renda. Pesquisa TIC Domicílios, divulgada em maio, revela que um em cada quatro brasileiros não têm acesso a internet.

"Muitas vezes a gente levava o feijão e ela não tinha dinheiro para poder comprar o gás, para poder cozinhar esse feijão, então a gente entendeu que era muito importante também a gente levar para essas mães uma coisa chamada autonomia e isso realmente tem feito muita diferença", frisa um dos fundadores da Cufa, Celso Athayde..

Ele destaca ainda que é importante também nesse momento pensar na retomada econômica dessa população mais fragilizada. "A gente não só permite que essas mães tenham acesso à internet para poder empreender, como permite que seus filhos possam estar conectados para poder atender as demandas das suas escolas", finaliza.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário