ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEXTA  18    CAMPO GRANDE 18º

Cidades

Cumprindo pena por abusar de paciente, técnico agora responde por improbidade

Então técnico de radiologia em Antônio João, homem poderá ser condenado por infringir ética do serviço público

Por Lucia Morel | 07/05/2021 18:48
Crime ocorreu em agosto de 2015 no Hospital Municipal de Antônio João. (Foto: Divulgação)
Crime ocorreu em agosto de 2015 no Hospital Municipal de Antônio João. (Foto: Divulgação)

Cumprindo pena de 8 anos por estupro de vulnerável, o então técnico de radiologia da Prefeitura de Antônio João, cidade a 319 Km de Campo Grande agora é novamente alvo do Ministério Público de Mato Grosso do Sul para pagar pelo crime de improbidade administrativa.

Ação Civil impetrada pela 1ª Promotoria de Justiça da comarca de Ponta Porã pede que o réu seja penalizado com base no artigo 12 da Lei de Improbidade, em seu inciso III que prevê, entre outras coisas, ressarcimento pelo dano, perda da função pública, multa e até suspensão de direitos políticos.

O homem, hoje com 35 anos, abusou de uma paciente durante exame de raio-x no Hospital Municipal de Antônio João, onde esta havia dado entrada depois de acidente automobilístico. Isso em agosto de 2015.

Sob efeito de medicamentos, ela precisava passar por exames e ele era o responsável pelo raio-x na ocasião. Na mesa, a jovem na época com 19 anos, teve o sutiã cortado para supostamente facilitar o exame que seria na perna, e o réu então começou a acariciar seus seios.

O homem continuou os abusos, tirando a calcinha da vítima e beijando sua parte íntima por alguns momentos. A vítima permaneceu com o autor na sala de raio-x por cerca de uma hora e saiu de lá chorando, quando também o denunciou a familiares que estavam no local.

À polícia, o réu confessou que por um “impulso masculino” deu um selinho sobre a calcinha da paciente, sem relatar maiores detalhes. Preso no dia do crime, ele respondeu em liberdade até ser preso em regime semiaberto em fevereiro de 2019. Atualmente no Presídio da Gameleira, o homem continua cumprindo pena no semiaberto e tem trabalho fixo, além de esposa e três filhos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário