ACOMPANHE-NOS    
MAIO, DOMINGO  31    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Diretores eleitos assumem escolas estaduais a partir de 2 de abril

Profissionais vão assumir cargos após vencerem disputa eleitoral nas escolas da rede estadual

Por Leonardo Rocha | 30/03/2020 11:59
Escola Estadual Joaquim Murtinho, em Campo Grande (Foto: Arquivo)
Escola Estadual Joaquim Murtinho, em Campo Grande (Foto: Arquivo)

Os direitos eleitos nas 254 escolas estaduais de Mato Grosso do Sul assumem o comando das unidades a partir do dia 2 de abril. Eles terão mandato até 31 de dezembro de 2023. O pleito para escolher os gestores ocorreu no dia 3 de março, na rede pública de ensino.

Os mandatos são para os diretores e aos diretores-adjuntos, em 76 cidades do Estado. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, eles assumem as escolas no dia 2 de abril, porque o comando dos antigos gestores está previsto até um dia antes (1º de abril).

Apesar das aulas estarem suspensas, segundo a pasta, as escolas não estão fechadas, inclusive existe um sistema de escala para os profissionais que atual no setor administrativo das unidades, por isso os novos ou diretores reeleitos já estão responsáveis por elas a partir do dia 2.

A lista dos diretores e adjuntos que vão assumir as unidades foi divulgada hoje (30), no Diário Oficial do Estado. A eleição que ocorreu no começo do mês,  depois de cinco anos sem pleito,  teve a participação dos estudantes a partir do 8º ano do Ensino Fundamental, professores, administrativos da educação e pais de alunos.

A eleição ocorreu por meio de cédula de papel, de forma secreta. Ao todo participaram 354 chapas na disputa. Antes do dia do pleito, foram realizados debates nas escolas para que os candidatos pudessem apresentar suas propostas aos alunos e professores.

O governo informou que 98 escolas não passaram pelo pleito, tendo indicação direta dos diretores e adjuntos. São as escolas confessionais, aquelas que oferecem educação às pessoas privadas de liberdade, assim como as unidades indígenas, escolas de tempo integral, as chamadas (escolas) cívico-militares, centros de educação infantil, centros de educação de jovens e adultos.