ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  25    CAMPO GRANDE 28º

Cidades

Em MS, 120 crianças de até 6 anos perderam os pais para a covid-19

Levantamento foi feito entre os dias 16 de março de 2020 e 24 de setembro deste ano

Por Ana Paula Chuva | 14/10/2021 13:07
Crinça segurando brinquedo em delegacia da Capital. (Foto: Arquivo)
Crinça segurando brinquedo em delegacia da Capital. (Foto: Arquivo)

Levantamento da Arpen (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais) divulgado nesta quinta-feira (14), mostra que ao menos 120 crianças de até seis anos de idade perderam os pais para a covid-19 em Mato Grosso do Sul.

A pesquisa foi feita entre os dias 16 de março de 2020 e 24 de setembro de 2021 e mostra ainda que ao menos sete pais foram mortos pela covid antes do nascimento dos filhos.

Os dados foram levantados através do cruzamento entre os CPFs dos pais no registros de nascimentos e de óbitos nos 92 Cartórios de Registro Civil do Estado desde 2015.

“Em parceria com a Receita Federal, os cartórios de Registro Civis do Mato Grosso do Sul conseguiram chegar ao número de órfãos, por meio da emissão do CPF na Certidão de Nascimento dos recém-nascidos”, explicou Marcus Roza, presidente da Arpen-MS.

Dados da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul apontam que desde o início da pandemia em 2020, por causa de mães ou pais mortos pela covid, 41 famílias procuraram ajuda para regularizar a guarda de crianças órfãs no Estado.

"Esses 41 casos de regularização de guarda se referem ao coronavírus como a causa da morte do guardião da criança. Contudo, o número pode ser muito maior. São 41 famílias, às vezes, tem mais de uma criança cada”, explica o coordenador do Nufam (Núcleo da Família), defensor público Daniel Provenzano.

Ainda de acordo com a Arpen, no Brasil, ao menos, 12.211 crianças com até seis anos ficaram órfãs de um dos pais por conta da covid. Desse total, 25,6% não tinha nem um ano de idade. São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Ceará e Paraná foram os estados que mais registraram óbitos de pais com filhos nesta faixa etária.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário