ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Empresário alvo do Gaeco já foi preso pela PF por exploração de jogos de azar

Empresário José Eduardo Abdulahad e outras nove pessoas foram alvos da Operação Successione, nesta terça-feira

Por Dayene Paz e Bruna Marques | 06/12/2023 10:45
Empresário José Eduardo Abdulahad, alvo da Operação Successione (Foto: Arquivo pessoal)
Empresário José Eduardo Abdulahad, alvo da Operação Successione (Foto: Arquivo pessoal)

O empresário José Eduardo Abdulahad, de 66 anos, ou "Zeizo", é um dos alvos da Operação Successione, deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), nesta terça-feira (5). Ele já foi preso pela Polícia Federal durante a operação "Xeque-Mate", de 2007, que apreendeu 10 máquinas caça-níqueis utilizadas na exploração de jogo de azar, em Campo Grande, mas foi inocentado em processo que transitou em julgado.

Ontem, Abdulahad e outras nove pessoas foram alvos da Successione, uma ofensiva contra o jogo do bicho em Mato Grosso do Sul. Entre os presos estão policiais militares da reserva e assessores parlamentares do deputado estadual Roberto Razuk Filho, o Neno Razuk (PL). O deputado, inclusive, teve a casa alvo de mandado de busca e apreensão. Dois celulares, um tablet e uma pistola foram apreendidos com o parlamentar.

"Zeizo" já tem ficha criminal pela exploração de jogos de azar e chegou a ser preso em operação que também levou para a prisão do ex-major da Polícia Militar, Sérgio Roberto de Carvalho. O ex-oficial tem ligação com o tráfico internacional de drogas e envolvimento com a exploração de jogos de azar, como a locação de caça-níqueis e funcionamento de cassinos.

Policiais chegando na sede do Garras após cumprimento de mandados. (Foto: Marcos Maluf)  
Policiais chegando na sede do Garras após cumprimento de mandados. (Foto: Marcos Maluf)

Abdulahad chegou a ser denunciado em 2012 por lavagem de dinheiro. A estrutura da organização criminosa na qual fazia parte mostra Abdulahad como um dos "cabeças" do grupo, que utilizava empresas de fachada comandadas por "laranjas", para lavar o dinheiro vindo dos jogos.

Também, de acordo com denúncia do Ministério Público, no dia 8 de maio de 2007, na galeria Dona Neta, no Centro da Capital, agentes da Polícia Federal apreenderam 10 máquinas caça-níqueis que eram utilizadas na exploração do jogo de azar, local que seria de propriedade de Abdulahad.

Ontem, o Gaeco não localizou Abdulahad para cumprimento do mandado de prisão. Segundo o advogado e filho dele, Rhiad Abdulahad, o pai estava em viagem e deve se apresentar às autoridades. Uma data não foi informada.

Presos - Entre os dez mandados de prisão, sete foram cumpridos em Campo Grande e Ponta Porã, sendo eles: do major da PM aposentado e assessor parlamentar de Neno Razuk, Gilberto Luiz dos Santos; do filho do major, Júlio César Ferreira dos Santos; do assessor parlamentar de Neno, Diego de Souza Nunes; do sargento aposentado e também assessor parlamentar, Manoel José Ribeiro; Valmir Queiroz Martinelli; Matheus Aquino Junior e Taygor Ivan Moretto Pelissari, este último preso em Ponta Porã.

Todos passam por audiência de custódia na manhã desta quarta-feira (6). Os outros dois alvos, sem nomes confirmados, não foram localizados.

Investigação - As apurações que levaram à Operação Successione começaram após a polícia apreender 700 máquinas de apostas em um imóvel no Bairro Monte Castelo, em Campo Grande, em outubro deste ano. Entre a "turma do baralho" estavam os dois policiais presos ontem.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias