ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Família da 1ª vítima da covid ainda vive luto e tenta superar exposição

O trauma pela morte de Eleuzi Silva Nascimento virou rotina assim como as mais de 4,2 mil mortes depois

Tainá Jara | 31/03/2021 08:00
Cemitério Municipal de Batayporã, cidade que registrou a primeira morte por covid em MS (Foto: Helio de Freitas/Arquivo)
Cemitério Municipal de Batayporã, cidade que registrou a primeira morte por covid em MS (Foto: Helio de Freitas/Arquivo)

Cada morte pela covid-19 carrega consigo um drama insuperável. Fazer parte da família da 1ª pessoa a morrer pela doença tão temida, e outrora algo tão distante, traz, no entanto, traumas mais difíceis de transpor. O dolorido luto vem com adicional do preconceito e da superexposição com os quais a família de Eleuzi Silva Nascimento tenta conviver um ano e 4.219 mortes depois.

Moradora do município de Batayporã, distante 313 quilômetros de Campo Grande, a idosa, de 64 anos, foi a primeira a ter a morte confirmada por covid-19 em Mato Grosso do Sul. O óbito revelou despreparo de vários setores em lidar com a situação de forma menos alarmante e mais sensível.

Sem querer aparecer, a família revela o descontentamento com a exposição na época. A crítica vai desde a postura dos profissionais de saúde, acusados de vazarem dados da vítima, e de parentes mais próximos, até a imprensa, com a divulgação de imagens, por exemplo, do atendimento feito dentro do hospital, além do próprio rosto da mulher.

Os parentes que conseguiram sair ilesos e sobreviver à doença, tiveram de lidar com o escrutínio. O endereço divulgado para toda cidade deixou o isolamento necessário para quem teve contato com Eleuzi, ainda mais perturbador. “Nós fomos tratados com tanto desrespeito”, relembra um dos familiares.

Na época, a Secretaria de Saúde divulgou que a moradora de Batayporã teve contato com duas irmãs que viajaram para a Bélgica. Elas não tinham sintomas, mas, uma delas, também testou positivo para o coronavírus. Eleuzi foi diagnosticada com a doença no dia 24 de março. Ela tinha enfisema pulmonar, o que tornou o quadro ainda mais grave.

Flores frescas nos túmulos dos cemitérios indicam frequência acelerada das mortes (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Flores frescas nos túmulos dos cemitérios indicam frequência acelerada das mortes (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

"A sensação é de enxugar gelo" - Quando a morte de Eleuzi por covid-19 foi confirmada, a cidade de pouco mais de 11 mil habitantes, do leste do Estado, tinha apenas três casos confirmados da doença. Hoje, são 551. Em número de mortes, o município ainda conseguiu manter o controle. Foram 11 até o momento.

O prefeito, Germino Roz (PSDB), reconhece os pontos positivos em relação a prevenção, mas não esconde o cansaço em com o prolongamento da situação. “Melhoramos no que diz respeito às medidas de biossegurança, porém o momento é de alerta devido a situação que vivemos. Há um ano a cidade estava fechada com medo do impacto danoso que a doença poderia causar nas vidas de nossa população. Um ano depois, cá estamos nós, com a cidade praticamente parada novamente. A sensação é de enxugar gelo”.

Vacinas chegam em lotes picados para atender Mato Grosso do Sul (Foto: Kisie Ainoã-Arquivo)
Vacinas chegam em lotes picados para atender Mato Grosso do Sul (Foto: Kisie Ainoã-Arquivo)

"A nossa esperança, de fato, é a vacina” - Na avaliação do doutor em infectologia e professor do curso de Medicina da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Everton Lemos, o afrouxamento das medidas de distanciamento social, adotadas no início da pandemia, em março do ano passado, contribuiu para chegarmos a situação de colapso na saúde verificada agora.

“Estamos no pior momento da pandemia em número de confirmações, óbitos, além da falta de leitos. A situação se agravou muito do ano passado para cá. A nossa esperança, de fato, é a vacina”, pontua.

O professor lembra o número de contaminações se intensificou a partir de outubro de 2020. Até o momento, o Estado registra 213.869 e 4.220 óbitos. Ao mesmo tempo que 177 pessoas aguardam na fila por um leito em hospital, Mato Grosso do Sul é o primeiro estado do país e atingir os 10% de imunização.

“A medida que a imunização conseguir alcançar um número considerável, há possibilidade de reduzir a morte, como já ocorreu entre os idosos já vacinados. Não há, no entanto, como ter uma estimativa de quando vamos sair desta situação, afinal temos variantes importantes que podem prolongar a pandemia”, ressalta.

Nos siga no Google Notícias