ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 13º

Cidades

General alvo da PF em MS teve celular apreendido e nega trama para golpe

Casa de oficial, em Campo Grande, foi vasculhada ontem; ele é suspeito de planejar tomada do poder

Por Dayene Paz e Idaicy Solano | 09/02/2024 12:23
Laércio Virgílio conversou com a reportagem na manhã desta sexta-feira. (Foto: Paulo Francis)
Laércio Virgílio conversou com a reportagem na manhã desta sexta-feira. (Foto: Paulo Francis)

"Nunca teve tentativa de golpe". A afirmação é do coronel reformado Laércio Virgílio, 69 anos, que diz ser amigo do ex-presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro (PL), ambos investigados na Operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal, que cumpriu ordens judiciais nesta quinta-feira (8). A ação é contra grupo acusado de disseminar mentiras sobre fraude nas Eleições Presidenciais de 2022.

Aposentado com posto de general-de-brigada, Vírgilio é natural de Adamantina (SP), mas mora no Bairro Buriti, em Campo Grande, onde recebeu a equipe de reportagem do Campo Grande News na manhã desta sexta-feira (9). Ontem, a PF apreendeu o celular e a pistola dele em buscas no endereço, mas o oficial do Exército garante: "não tenho nada a temer, ninguém fez nada de ilegal".

Segundo a investigação da PF, o "General Vírgílio", como era chamado, foi um dos responsáveis pelo “planejamento operacional" para a prisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes. Contudo, aparentemente tranquilo, o general garante que não sai de casa desde 2020 e, por isso, não tinha como planejar um golpe. "Passei por três cirurgias e estava desenganado pelos médicos. Desde então, não saio de casa", garante.

Para o general, a tentativa de golpe de Estado é uma narrativa inventada. "Por quem tem interesse justamente em dar o golpe, que foi o que nós sofremos. Nunca teve tentativa de nada, muito menos da minha parte. Não participei de nenhuma passeata".

Ele contou que "serviu o quartel" por sete anos junto com Bolsonaro, sem explicar em que local, e disse conhecer "a índole" do ex-presidente da República. "Ele jamais pensou em dar o golpe, nem ele e nenhuma das pessoas envolvidas que eu conheço, muito menos ferir a Constituição, que é nossa lei maior. Nunca se pensou em virar a mesa e nunca passou na cabeça do Bolsonaro aplicar força", pontuou.

O general comenta que se vê, agora, do lado mais fraco e que está passando por muita tensão. "A gente espera que a justiça seja feita, se não for a dos homens, a justiça divina", diz. "Eu gostaria de ter participado das manifestações pacificas e não concordo com o que aconteceu no dia 8 de janeiro, sou levado pela lei e ordem", completou.

Esquema - Um dos planos era estar atento ao golpe para prenderem o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, no dia 18/12/2022. Virgílio integrava o núcleo de oficiais de alta patente com influência e apoio a outros núcleos. Junto com ele estavam o ex-ministro Chefe da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto, Almir Garnier Santos, Mario Fernandes, Estevam Theofilo Gaspar de Oliveira e Paulo Nogueira de Oliveira.

O grupo teria se utilizado do cargo que tinha nas Forças Armadas para influenciar e incitar o apoio aos demais núcleos de atuação, por meio do endosso de ações e medidas a serem adotadas, para a consumação do golpe de Estado.

Além de Vírgilio, outros oficiais que têm ligação com Mato Grosso do Sul são citados na investigação da Polícia Federal, sendo: o tenente-coronel do Exército, Sérgio Ricardo Cavaliére de Medeiros, e o coronel do Exército Brasileiro, Bernardo Romão Corrêa Neto.

Coronel Bernardo Romão Corrêa Neto durante palestra no Exército (Foto: Divulgaçaõ/EB)
Coronel Bernardo Romão Corrêa Neto durante palestra no Exército (Foto: Divulgaçaõ/EB)

Cavaliére fez parte do grupo empenhado em espalhar desinformação e ataques ao sistema eleitoral. Ele atuou, portanto, na “produção, divulgação e amplificação de notícias falsas e de 'estudos' quando à falta de lisura das eleições, além de estimular seguidores a permanecerem na frente de quartéis e de instalações das Forças Armadas, no intuito de criar o ambiente propício para a execução de um golpe de Estado”.

Bernardo é suspeito de ter empregado técnicas de militares com formação em Forças Especiais para direcionarem manifestações nas portas dos quartéis e nos atos voltados às invasões em 8 de janeiro de 2023.

Tempus Veritatis - O nome da operação vem do latim: "a hora da verdade". Justamente faz referência às mentiras disseminadas pelos investigados sobre fraude no sistema eleitoral.

Segundo a PF, é apurada uma "tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito, para obter vantagem de natureza política com a manutenção do então presidente da República no poder".

As apurações apontam que o grupo se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas Eleições Presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito. O objetivo era viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital.

O primeiro eixo consistiu na construção e propagação da versão de fraude nas Eleições de 2022, por meio da disseminação de mentiras sobre vulnerabilidades do sistema eletrônico de votação, discurso reiterado pelos investigados desde 2019 e que persistiu mesmo após os resultados do segundo turno do pleito em 2022.

O segundo eixo de atuação consistiu na prática de atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, através de um golpe de Estado, com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível.

Foram alvos de medidas cautelares: Jair Messias Bolsonaro, ex-presidente da República; Valdemar Costa Neto, presidente do PL; Walter Souza Braga Netto, ex-ministro da Defesa e candidato a vice de Bolsonaro em 2022; Augusto Heleno, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI); Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública; General Paulo Sérgio Nogueira, ex-comandante do Exército; Almirante Almir Garnier Santos, ex-comandante-geral da Marinha; General Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército; Tércio Arnaud Thomaz, ex-assessor de Bolsonaro e considerado um dos pilares do chamado “gabinete do ódio”.

Ainda foram alvos: Ailton Gonçalves Moraes Barros, capitão reformado do Exército expulso após punições disciplinares; Amauri Feres Saad, advogado citado na CPI dos Atos Golpistas como “mentor intelectual” da minuta do golpe encontrada com Anderson Torres; Angelo Martins Denicoli, major da reserva do Exército que chegou a ocupar cargo de direção no Ministério da Saúde na gestão Eduardo Pazuello; Cleverson Ney Magalhães, coronel do Exército e ex-oficial do Comando de Operações Terrestres; Eder Lindsay Magalhães Balbino, empresário que teria ajudado a montar falso dossiê apontando fraude nas urnas eletrônicas; Guilherme Marques Almeida, coronel do Exército e ex-oficial do Comando de Operações Terrestres; e Hélio Ferreira Lima, tenente-coronel do Exército.

Já os mandados de prisão foram expedidos contra: Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro; Marcelo Câmara, coronel do Exército citado em investigações como a dos presentes oficiais vendidos pela gestão Bolsonaro e a das supostas fraudes nos cartões de vacina da família Bolsonaro; Rafael Martins, major das Forças Especiais do Exército; e Bernardo Romão Corrêa Netto, coronel do Exército.

O presidente do PL (Partido Liberal), Valdemar Costa Neto, acabou preso pela Polícia Federal durante a Operação Tempus Veritatis. Ele era um dos alvos de mandado de busca e apreensão, mas, durante varredura no prédio onde mora, em Brasília (DF), onde também funciona a sede do PL, a PF o prendeu por porte ilegal de arma de fogo.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias