ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  03    CAMPO GRANDE 14º

Cidades

Governo espera ter 700 leitos de UTI à diposição até próxima semana

Secretaria de Saúde disse que no momento o Estado conta com 515 leitos de UTI, somando rede pública e privada

Por Leonardo Rocha | 28/03/2020 17:15
UTI na Santa Casa, em Campo Grande (Foto: Divulgação)
UTI na Santa Casa, em Campo Grande (Foto: Divulgação)

O governo espera que o Estado tenha 700 leitos de UTIs (Unidade de Terapia Intensiva) à disposição até o final da próxima semana, sendo que hoje conta com 515, somando as unidades de saúde pública e privada. Foi o que revelou o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende.

Ele explicou, durante a coletiva de imprensa, que o Ministério da Saúde colocou na primeira leva (leitos UTIs) os estados que possuem mais números de infectados, entre eles São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará. Já Mato Grosso do Sul entra na segunda leva, por ter menos casos confirmados. “Espero que chegue aqui até o final da semana”.

Geraldo disse que amanhã (29) vai divulgar onde ficarão estes novos leitos (UTIs) e quais já estão à disposição da população. “Vamos mostrar que cidades e unidades já têm ou que vão receber”.

Relembrou que os R$ 7,9 milhões enviados pelos Ministério da Saúde, para compra de equipamentos e materiais contra o coronavírus, foi repassado de forma integral aos 79 municípios, e que a divisão foi de acordo com a população de cada cidade, seguindo os números estimados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Novos testes – Também adiantou que os novos testes rápidos que chegarem ao Estado terão como prioridade os profissionais de saúde e segurança, que segundo ele, estão “na linha de frente” do combate ao novo coronavírus e que a dificuldade no momento é sobre a entrega destes itens pelos fornecedores. “Mesmo com processo de compra em andamento, a procura é muito grande”.

O secretário, no entanto, garantiu que a saúde pública tem “testes necessários” para avaliar os casos suspeitos do Estado, seguindo os critérios do Ministério da Saúde. “Temos o suficiente para nossa demanda atual”.