ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  24    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Hospital Municipal será construído em terreno no Bairro Chácara Cachoeira

Projeto será detalhado pela prefeita Adriane Lopes e prevê abertura de 250 leitos de urgência e emergência

Por Silvia Frias | 25/04/2024 12:33
Área onde será construído Hospital Municipal, no Chácara Cachoeira (Foto: Marcos Maluf)
Área onde será construído Hospital Municipal, no Chácara Cachoeira (Foto: Marcos Maluf)

Terreno no Bairro Chácara Cachoeira foi escolhido para construção do Hospital Municipal, projeto anunciado em setembro de 2023, com instalação de 250 leitos de urgência e emergência, 25 salas de diagnóstico, 10 salas de centro cirúrgico e uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

A reportagem apurou que o licenciamento ambiental para o projeto, com denominação atualizada de "Complexo Hospitalar", foi autorizado pela prefeitura Adriane Lopes (PP) e deve ser publicado esta semana no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande).

Quando foi anunciada, em 2023, a obra estava orçada em R$ 200 milhões em área de 10.000 m². A ideia é que o hospital seja um complexo hospitalar, a ser instalado no terreno na Rua Raul Pires Barbosa, sendo uma extensão dos serviços oferecidos do CEM (Centro de Especialidades Médicas), no Bairro São Francisco, como especialidades em cardiologia e dermatologia.

Em fevereiro deste ano, a prefeitura divulgou a contratação da empresa HB Treinamentos Ltda, para consultoria especializada, com objetivo de indicar soluções para a construção do “complexo hospitalar em âmbito municipal". A contratação foi por expertise, sem licitação, no valor de R$ 212,5 mil.

Na justificativa da contratação da empresa, a prefeitura cita o cenário do sistema de saúde púbico municipal. “As dez portas de entrada da rede de urgência e emergência (UPAS e CRS) em 24h apresenta uma média de 40 pacientes inseridos no sistema de regulação hospitalar represadas devido à falta de leitos na rede contratualizada”.

Isso é consequência do aumento populacional, atualmente em 906 mil residentes, podendo chegar a 1,5 milhão, “considerando a disposição da Rede de Assistência no Estado de Mato Grosso do Sul, com suas macro e microrregiões de saúde”.

Na justificativa, desta forma, o quantitativo da população, na maioria entre as faixas etárias de 20 a 59 anos, associada à tendência de envelhecimento e incidência de doenças crônicas, infectocontagiosas tem gerado sobrecarga aos equipamentos de saúdes existentes, “(...) causando represamento de filas a procedimentos diagnóstico/terapêuticos e de internações, sobretudo, eletivas que, ao se postergarem tornam-se urgentes refletindo em um aumento do quantitativo de solicitações de internações”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias