ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  11    CAMPO GRANDE 20º

Cidades

HR-MS contrata 105 profissionais para reforçar equipe durante pandemia

Contratações incluem enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem

Por Leonardo Rocha | 22/04/2020 09:47
Entrada do HR-MS, em Campo Grande (Foto: Marcos Maluf)
Entrada do HR-MS, em Campo Grande (Foto: Marcos Maluf)

O HR-MS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) contratou 105 profissionais da saúde para reforçar sua equipe, durante a pandemia no Estado. Eles vão atuar durante período temporário de um ano, podendo ter o prazo prorrogado ou interrompido a qualquer momento.

São 38 enfermeiros, 21 médicos, 39 técnicos de enfermagem e 07 fisioterapeutas. A unidade em Campo Grande é o hospital referência em Mato Grosso do Sul no tratamento de coronavírus. A lista dos contratados foi divulgada hoje (22), no Diário Oficial do Estado.

 O governo estadual definiu a unidade como referência, tanto que já montou estrutura anexa dentro do hospital para atender pacientes, casos os leitos na área interna sejam preenchidos. A unidade também definiu comissão e regras para tratar os pacientes, assim como avaliação regular da ocupação dos leitos.

A direção do hospital havia adiantado que haverá a contratação de 120 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, para fazer o tratamento dos pacientes. Para isto houve um processo seletivo, para a aquisição temporária destes funcionários. Outra preocupação é montar estrutura adequadas para que estes profissionais possam atuar, principalmente nos casos graves.

Regras - O hospital também divulgou normas para funcionários que apresentem sintomas de coronavírus, como febre, tosse ou condições respiratórias. Elas devem entrar em em contato com a direção, que já vai considerar este caso suspeito.

O servidor será colocado como prioridade para o teste da doença, buscando o serviço de saúde e tendo o afastamento por período mínimo de 14 dias. Os servidores que forem maiores de 60 anos e que tenham doenças crônicas também devem fazer a devida comunicação (direção), para que realizem o serviço em "home office".