ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

Lockdown de fim de semana tem pouca efetividade, avalia infectologista

Especialistas indicam que adoção de estratégias de isolamento social surte efeito, em média, de 10 a 14 dias, após o início

Por Tainá Jara | 10/07/2020 18:28
Fiscais da prefeitura de Coxim se preparam para fiscalizações do lockdown de final de semana (Foto: Divulgação/Prefeitura de Coxim)
Fiscais da prefeitura de Coxim se preparam para fiscalizações do lockdown de final de semana (Foto: Divulgação/Prefeitura de Coxim)

Lockdown e até mesmo a adoção de barreiras sanitárias de fim de semana têm pouca efetividade para conter a disseminação do novo coronavírus. Estudos apontam que a adoção de estratégias de isolamento social surte efeito, em média, de 10 a 14 dias, após o início da média, mesmo período de incubação do vírus.

De acordo com o infectologista da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Júlio Croda, medidas permanentes seriam as mais adequadas para proteger a população da covid-19. “Apenas durante os fins de semana não tem impacto nenhum”, afirma.

A partir desta sexta-feira, o município de Coxim, distante 254 quilômetros de Campo Grande, passa a colocar em prática o confinamento durante os fins de semana. Entre às 22h de hoje e às 5h de segunda-feira, as atividades comerciais deverão ser suspensas e pessoas oriundas de outros municípios não poderão entrar na cidade.

No caso do comércio, há exceções para farmácias, mercados, distribuidoras de gás, padarias e postos de combustíveis. Pessoas externas só poderão entrar na cidade durante este período em casos de emergência confirmado pelas autoridades sanitárias.

Fica proibida ainda a utilização para quaisquer fins de praças, praças esportivas e canteiro central, além da utilização de som ao vivo ou mecânico nas atividades comerciais em geral, especialmente, restaurantes, lanchonetes e afins, mesmo fora do período de lockdown.

Conforme o prefeito da cidade, Aluízio São José, a adoção de medidas mais rigorosas se deve ao aumento considerável da covid-19, no município, nos últimos dias. “Em 15 dias se percebeu um crescimento de mais de 300%, sendo o maior contabilizado na região Norte do Estado”, destacou.

A preocupação principal do gestor é em relação ao número limitado de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), na região. Cinco vagas do tipo estão em fase de operacionalização no município que já contabiliza uma morte pelo vírus. A cidade tem 58 casos confirmados do novo coronavírus.

“Nosso melhor cenário em termos de combate a pandemia é garantir o controle do número de casos, que eles não sejam maiores que a capacidade nossa de atendimento em saúde e que a gente possa manter o funcionamento. Então, o lockdown no final de semana é para tentar diminuir o crescimento da curva. Vão ser em vários finais de semana. Caso esta medida não alcance um efeito pleno como a gente espera. Outras medidas poderão ser tomadas e inclusive um lockdown por um período maior”, afirmou.

Estudo conduzido pelo engenheiro químico e professor Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), Eduardo Lima, com base nos dados do Ministério da Saúde, que verificou que há uma tendência de diminuição do número de mortes pela covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, após a adoção de medidas restritivas à circulação de pessoas.

A pesquisa indica que a adoção de estratégias de isolamento social surte efeito, em média, de 10 a 14 dias, após o início da medida, mesmo período de incubação do vírus.

Barreira Sanitárias – Também considerada de pouca efetividade, as barreiras sanitárias possuem caráter mais educativo, do que propriamente de controle da doença e de diagnóstico, conforme aponta Croda.

O município de Terenos fechou hoje a maioria das entradas da cidade e deixou apenas três abertas com a implantação de barreira sanitária e deve manter o esquema até a madrugada de segunda-feira.

Croda aponta como medida paliativa também a realização de testes rápidos. “Não serve muito para as ações de vigilância, porque é detectado depois que já passou o período de transmissão do vírus. Geralmente, a pessoa transmite por 8 dias. Teste diagnóstico começa a testar positivo a partir do 8º dia. É justamente para saber se você teve ou não, mas já não tem mais impacto na transmissão”, destaca.

Mato Grosso do Sul tem, conforme SES (Secretário de Estado de Saúde), 12.261 casos confirmados do novo coronavírus, sendo 146 mortes.