ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  12    CAMPO GRANDE 17º

Cidades

Mesmo na pandemia, Rio Negro deve receber fábrica de bolsas de couro

Empresária firma termo para empreender R$ 1 milhão e gerar 15 empregos no município mesmo nestes tempos difíceis

Por Rosana Siqueira | 29/05/2020 17:41
Empresária esteve reunida com superintendente da Semagro esta semana (Divulgação)
Empresária esteve reunida com superintendente da Semagro esta semana (Divulgação)

Em plena coronacrise, a atração de indústrias não parou no Estado. Com investimentos de R$ 1 milhão, o município de Rio Negro deverá receber uma fábrica de bolsas de couros de alto padrão. A iniciativa é da empresária Zanir Furtado que pretende iniciar a produção nos próximos 60 dias, gerando emprego, renda e diversidade econômica ao município de 5 mil habitantes.

O projeto foi apresentado para a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) nesta semana, em reunião com o superintendente de Indústria, Comércio e Serviços, Bruno Gouvea e o prefeito de Rio Negro, Cleidimar da Silva Camargo.

Para construir a marca Zanir Furtado, a empresária pretende usar o couro do gado sul-mato-grossense e investir R$ 1 milhão em recursos próprios para tirar a fábrica do papel. Em um ano a expectativa é gerar 15 empregos diretos, com pretensão de chegar a 150 postos de trabalho em três anos.

“O couro daqui é um dos melhores do país, então queremos aproveitar esse potencial. Num segundo momento, queremos usar couro de jacaré e avestruz também do Estado. Também queremos ampliar a produção de bolsas e acessórios para roupas e sapatos”, explica a empresária que pretende exportar seus produtos.

O superintendente da Semagro, Bruno Gouvea explicou que a fábrica de bolsas de couro é uma oportunidade de diversificar a economia do município e gerar empregos. “Esse projeto vem para somar ao município, onde estamos apoiando a construção de um frigorífico. Negócios que vão ajudar a melhorar a qualidade de vida da população”, destaca.

Zanir conta que nasceu e constituiu família em Rio Negro, mas passou os últimos 10 anos empreendendo em Brasília. Ao decidir diversificar os negócios, escolheu a cidade natal. “Eu amo minha cidade, conheço e acredito no potencial do nosso Estado, por isso decidi investir aqui. Também sou prova de que com cultura e dedicação é possível chegar mais longe, por isso quero dar a oportunidade de outras pessoas da minha cidade conseguirem o mesmo”.